Luana cita Casa Civil e diz desconhecer razão pela qual não foi nomeada na secretaria contra a Covid

·2 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 02.06.2021: CPI-COVID-DF - CPI da Covid no Senado ouve nesta quarta-feira (2) a médica Luana Araújo, que chegou a ser anunciada em maio como secretária especial de Enfrentamento da Covid do Ministério da Saúde, mas teve sua indicação retirada dez dias depois, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 02.06.2021: CPI-COVID-DF - CPI da Covid no Senado ouve nesta quarta-feira (2) a médica Luana Araújo, que chegou a ser anunciada em maio como secretária especial de Enfrentamento da Covid do Ministério da Saúde, mas teve sua indicação retirada dez dias depois, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A médica Luana Araújo, a ex-secretária extraordinária de enfrentamento à Covid, afirmou à CPI que não sabe porque a sua nomeação no cargo não foi concretizada. A infectologista chegou a ser anunciada como secretária, mas 10 dias depois foi demitida, sem que fosse efetivada.

"Eu realmente gostaria de saber. Não me foi comunicada a razão pela qual a minha nomeação não foi aprovada. Eu só fui informada que essa nomeação não sairia", disse.

Luana afirmou que foi informada pelo próprio ministro Marcelo Queiroga que a efetivação do nome dela não havia "passado".

"O ministro me disse que lamentava, mas o meu nome não ia passar pela Casa Civil." Em seguida, Luana disse que citou o órgão porque imagina que seria lá o local onde seu nome deveria ser aprovado. "Eu falei que Casa Civil porque achei que fosse lá."

Questionada pelos senadores, ela também disse desconhecer a existência de um gabinete paralelo e informou que tinha contato direto com o ministro e seus assessores.

Antes de ser anunciada por Queiroga para o cargo, Luana Araújo havia chamado o tratamento precoce de neocurandeirismo e iluminismo às avessas. A então secretária afirmou que nunca debateu esse assunto com o ministro, que ela considera um homem da ciência.

NOMEAÇÃO

Em depoimento à CPI da Covid, a ex-secretária extraordinária de enfrentamento à Covid Luana Araújo afirmou que nunca foi informada sobre o motivo de sua nomeação oficial nunca ter sido publicada, após 10 dias no cargo. Apenas foi informada que não permaneceria no cargo.

"Não foi me dado nenhum tipo de justificativa para a minha saída", afirmou, reforçando que o ministro Queiroga apenas a informou que seu nome não havia sido aprovado.

"Eu realmente gostaria de saber. Não me foi comunicada a razão pela qual a minha nomeação não foi aprovada. Eu só fui informada que essa nomeação não sairia", completou.

Antes da sua nomeação, Luana Araújo havia chamado o tratamento precoce de neocurandeirismo e iluminismo às avessas. A então secretária afirmou que nunca debateu esse assunto com o ministro, que ela considera um homem da ciência.

Afirmou que a discussão atual é "claríssima, transparente" sobre a falta de resultados para tratamento precoce.

"Todos somos a favor de um tratamento precoce que exista. Mas ainda não existe", afirmou.

"Essa é uma discussão delirante, esdrúxula, anacrônica e contraproducente", completou. A médica também afirmou que chegou a ser ameaçada e após a sua saída, chegou-se a tentar divulgar seu endereço pelas redes sociais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos