Luana Piovani x Pedro Scooby: qual o saldo da treta pública para os filhos?

(Fotos: TV Globo/Tarso Figueira e Globo/João Cotta)
(Fotos: TV Globo/Tarso Figueira e Globo/João Cotta)

A treta pública entre Luana Piovani e Pedro Scooby virou muito mais do que uma “polêmica” nos últimos dias, especialmente quando consideramos um lado pouco falado nessa história: como as crianças lidam com a crise?

A vida do ex-casal sempre foi cercada de episódios problemáticos, nos quais Luana é apontada, com certa frequência, como a “louca” da história. Já Scooby, principalmente após sua passagem pelo “Big Brother Brasil 2022”, tornou-se esse cara bem visto, “de boa”. “A vida é irada, mano, vamo curtir”, diz o bordão usado pelo surfista no programa.

Leia também:

Luana Piovani x Pedro Scooby: relembre os embates públicos do ex-casal

Pelo menos é assim que Camila Rufato Duarte, advogada, idealizadora do "Direito Dela" e líder do Comitê de Combate à Violência Contra a Mulher do Grupo Mulheres do Brasil JF, enxerga a situação.

Segundo Camila, “é só uma mãe aparecer cobrando o mínimo de responsabilidade do pai dos seus filhos que ela é taxada de louca”. Vale lembrar que o conflito entre os dois acontece por causa da guarda dos filhos Dom, de 10 anos, e dos gêmeos Bem e Liz, de 7.

O exposed mais recente de Luana mostra a atriz cobrando, por mensagem de texto, o valor completo da pensão dos meninos: “Você vai querer conversar comigo ou não?", questiona Scooby. "É o que estou fazendo agora. Quero saber quando entra o resto do dinheiro que falta da conta das crianças. Quero falar com meus filhos e só", diz Piovani.

O surfista, então, pergunta se pode ligar para a atriz, mas ela nega. "Não tenho mais papo fofo contigo. Teu cartaz, tua festinha acabaram. Agora tudo escrito. E todo mundo vai saber quem você é. O que faz e permite. E o quanto miserável e ingrato você é", esbraveja Piovani.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O ex-BBB fez suas próprias postagens rebatendo Piovani, ao mostrar uma sequência de telas reforçando que buscou resolver as questões de forma “legal e amigável”.

“A guarda das crianças sempre foi compartilhada, portanto, nesse formato, sempre existiu um acordo de divisão das despesas das crianças. Agora que voltei a morar temporariamente no Brasil, tenho a intenção de fazer este acordo legalmente. Nunca me recusei a pagar nada com relação aos meus filhos, eu tenho até o dia 8/1 para esse pagamento, porém já adiantei no dia 2/1, 70% em cima do valor estipulado por ela”.

Voltando para a advogada Camila Rufato, que tem acompanhado os desdobramentos da história, ela chama atenção para os comportamentos de Scooby.

O surfista, recentemente, foi visto em uma festa de Réveillon mesmo com a filha mais nova internada. Aurora é fruto de seu casamento com a ​​modelo Cíntia Dicker, e nasceu no último dia 27.

“As pessoas esquecem as violências veladas que existem nessas relações. Scooby sempre elogia Luana em público e é o pai venerado. Além disso, no vídeo gravado por Luana, ela disse que Pedro informou que vai entrar na justiça em Portugal (que é um lugar onde é provável que ela perca a guarda). Esse tipo de ameaça é típica de homens que querem calar as mães”, refletiu no instagram do projeto Direito Dela.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Pode expor?

Um ponto a ser considerado é a exposição que os dois podem acabar causando às crianças. Camila defende que essa é uma forma de Luana ser ouvida, afinal, “quando nós mulheres somos ouvidas sem fazer barulho?", mas reconhece que não é a melhor solução.

O dano maior não é nem a exposição em si, mas essa relação tóxica que eles vivem. O que eles estão expondo para o mundo, provavelmente essas crianças estão vivendo na realidade delasCamila Rufato Duarte

O advogado Ruan Cabral considera que algumas dessas explanações podem trazer danos para as crianças e que preservar a intimidade dos filhos é dever que consta, inclusive, no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). “O ECA veda que os pais divulguem informações que dizem respeito à vida das crianças. No caso da decisão de guarda, não influencia, mas pode gerar um dano moral para as crianças e para os próprios pais”.

Mesmo que esse exposed seja feito de forma que não exponha os filhos diretamente (fotos, vídeos, áudios das crianças), é preciso ter cuidado com o que Pedro fala de Luana e vice-versa, já que Dom, Bem e Liz podem entrar em contato com essa briga. “Qualquer pessoa que tenha a guarda dessas crianças ou que tenha legitimidade, também pode ingressar com uma ação contra os pais”, complementa Cabral.

“Só pode falar em prejuízo para a criança aquilo que direta ou indiretamente atinge o interesse dela. Se sim, eles podem ser responsabilizados”Ruan Cabral

Pediatra e professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Ana Escobar reforça que uma separação é sempre delicada, claro, e não só para os pais. Porém, em algumas situações, isso pode ficar ainda mais complexo. "Principalmente em relação as crianças com menos de 12 anos, porque elas têm uma dependência muito grande dos pais, que são o porto-seguro. Na medida em que esses pais estão se separando, as crianças ficam, também, inseguras - elas se sentem desamparadas", explica ao Yahoo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O ideal é que todo o processo seja feito de forma tranquila, mas quando acontece de forma conturbada é necessário entender que esse é um problema do casal, que deve preservar os filhos dos conflitos.

"As brigas podem acontecer ao vivo e em ambientes diferentes, como hoje nas redes sociais. Isso acaba respingando nas crianças. Quanto mais se joga uma situação desagradável no ventilador, seja qual ventilador for, piora para as crianças, porque ficam emocionalmente expostas a várias situações".

A profissional alerta que os pais "devem evitar que toda sujeira - que naturalmente sobe - entre na vida das crianças e que fica mais difícil quando falamos de pessoas públicas. "É pior para as crianças, porque isso pode deixar marcas, algumas sequelas, dependendo da labilidade emocional, que vai ter que ser resolvida depois com algum profissional", conclui.