Luccas Neto, youtuber e irmão de Felipe Neto, diz que não se arrepende de polêmicas

Gustavo Cunha
·5 minuto de leitura

Luccas Neto não segue uma rotina com horários previamente calculados. Uma das personalidades mais populares entre crianças brasileiras, o youtuber de 28 anos se divide — em dias tocados de modo "conturbado", como ele diz — numa miríade lucrativa de atividades.

Protagonista de uma série com episódios diários no canal Lucas Toon e estrela da franquia de sucesso "Luccas Neto em: Acampamento de Férias", o carioca nascido em Engenho Novo, bairro na Zona Norte do Rio de Janeiro, tem a própria imagem replicada em mais de 50 produtos licenciados, incluindo bonecos, filmes, livros e brinquedos. E o rapaz quer mais.

— Não tenho nada cronometrado no meu dia a dia. Na maioria das vezes, durmo bem tarde e acordo muito cedo (risos) — afirma o irmão do influenciador digital Felipe Neto, outra figura com milhões de seguidores na internet. — Eu me surpreendo muito com o resultado do meu trabalho. Sabia que ia crescer, mas não dessa forma. Hoje, meu sonho profissional é me transformar numa das maiores empresas de entretenimento no mundo. Com certeza, penso em internacionalizar minha carreira. Mas digo isso com relação aos meus personagens e às minhas marcas.

A despeito dos pesares provocados pela pandemia de Covid-19, doença que Luccas contraiu (e superou) em novembro, o ano de 2020 tem sido frutífero para a celebridade do universo infantil.

Recorrentemente comparado a Xuxa ("Fico bem honrado com isso", ele comemora, revelando que gostaria de trabalhar na TV "se o projeto for interessante"), o youtuber se dedica a uma média de seis horas diárias de produção de conteúdo inédito.

As gravações dos vídeos com os Aventureiros, como são chamados os companheiros do protagonista interpretado por Luccas — e que ganharão um filme em 2021 —, acontecem em estúdio montado especialmente para isso, na Zona Oeste do Rio.

Turnê de shows

Neste domingo (20/12), Luccas volta aos palcos para cumprir uma série de shows agendados antes de eclodir a pandemia. A estreia é no Rio — na Jeneusse Arena, na Barra da Tijuca —, onde ele se apresenta para uma plateia reduzida e separada por cercadinhos, para que haja o distanciamento adequado entre os espectadores.

O evento leva à cena a montagem musical "Luccas Neto e a Escola de Aventureiros", em que o youtuber e cinco atores, todos caracterizados com os personagens da série, se alternam em sequências embaladas por coreografias, danças e efeitos especiais, numa trama que pretende "reforçar valores como amizade e respeito ao próximo".

— Lidar com crianças sempre foi uma coisa muito natural para mim — diz ele, que prefere não comentar sobre o filho Luke, primogênito que nasceu no último mês, fruto de seu relacionamento com atriz Jéssica Diehl. — Minha mãe foi coordenadora de creche durante 35 anos da vida dela, então eu sempre tive contato com crianças e com esse universo.

Polêmicas no passado

Fatos controversos, no entanto, compõem o passado deste jovem carismático que se dirige ao público mirim com um tom de voz infantilizado. Antes de se consagrar como produtor de conteúdo para crianças — hoje, aliás, uma equipe de psicólogos e pedagogos está por trás de tudo o que ele faz (ou não faz) —, Luccas surgiu na web como figura propagadora de polêmicas.

Em publicações no seu primeiro canal, batizado de Hater Sincero, ele não poupava o uso de palavrões para criticar celebridades nascidas na web. Ali, ele afirmou, certa vez, que crianças que seguiam e admiravam youtubers eram "retardadas e burras".

Em janeiro de 2016, alguns meses antes de se lançar na seara de vídeos infantis, o youtuber foi condenado pela justiça, em primeira instância, por chamar uma menina de 14 anos de "mão de pica".

Hoje, ele diz que não se arrepende dos deslizes. O reflexo do amadurecimento, o rapaz aponta, está no fato de ter apagado dezenas de vídeos que acumulavam milhares de visualizações, como as cenas em que ele enchia uma banheira com Nutella ou criava uma jujuba gigante com toneladas de açúcar, algo que ele hoje entende como impróprio para menores de idade.

— Já fui muito criticado, mas todas as críticas construtivas foram usadas para me tornar quem eu sou hoje. Reconheci muitos erros, e não me arrependo. Até então, não falava com crianças, e só fazia vídeos na internet, sem nenhuma responsabilidade por trás, pois eu não sabia quem era meu público e como ele se comportava — esclarece Luccas. — Depois que resolvi repaginar tudo e decidi me tornar referência no audiovisual infantil, apaguei quatro bilhões de visualizações do meu canal, porque eu queria que ele fosse uma plataforma responsável e segura para as crianças.

Ironicamente, ele se diz mais comedido com redes sociais atualmente. Não espere encontrar, nas páginas oficiais de Luccas Neto, referências a fatos de sua vida pessoal, por exemplo. Apenas conteúdos do próprio canal e posts publicitários são reproduzidos em seu perfil virtual. Mesmo em entrevistas, ele parece fugir dos assuntos de teor privado, como a relação com o irmão Felipe Neto e seu posicionamento político.

— Sou um pouco afastado das redes sociais, porque acho que é um lugar onde todo mundo quer dar opinião de tudo. Quando não se tem um ambiente seguro e controlado para a gente dar nossa opinião, receber opinião do outro e ter um debate seguro, vira uma chuva de tiro para cada lado, brigas e confusão — afirma. — É isso que a rede social é hoje. As pessoas querem dar muita opinião sobre as coisas, mas a rede muitas vezes não te permite ouvir a opinião alheia. Você não está com a pessoa para conversar, entender... E a pessoa do outro lado pode interpretar de outra forma o que você falou.