Luciano Huck doa R$100 mil à ONG humanitária para ajudar na distribuição de absorventes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente Jair Bolsonaro vetou a distribuição gratuita de absorventes femininos para estudantes de baixa renda de escolas públicas e mulheres em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema na última quinta-feira (07).Diante disso, Luciano Huck anunciou nesta sexta-feira (08) que vai doar R$100 mil à Plan International — ONG humanitária — para que mais estudantes tenham acesso a produtos de higiene menstrual. Segundo o apresentador, isso signifca até 200 mil absorventes para quem precisa e não consegue comprar.

Além de Huck, famosos começaram a fazer barulho nas redes sociais desde quinta-feira (07) criticando a atitude do presidente.

A atriz Fernanda Paes Leme classificou a atitude de Jair Bolsonaro com um "absurdo". "Menstruação, algo NATURAL do ser humano, é responsável por internações por infecções. Algumas pessoas usam até miolo de pão na falta de absorventes. Jovens não vão às aulas por falta de absorventes", escreveu.

Já a cantora Zélia Duncan compartilhou um questionamento com seus seguidores no Twitter: "Por que proibir a distribuição de absorventes? Ele não gosta da mulher?"

Enquanto isso, a atriz Nanda Costa se absteve de palavras e publicou prints com manchetes de jornais que anunciavam o veto do presidente. Ao lado, adicionou um GIF de um boneco chorando.

Assim como Fernanda Paes Leme, a ex-BBB Camilla de Lucas lembrou das soluções absurdas que mulheres devem se sujeitar por não terem acesso à um item de higiene e pediu um basta.

"Pra vocês terem noção, a pobreza menstrual faz com que mulheres usem miolo de pão, papel, pedaço de pano, algodão… quando estão menstruadas. É um absurdo o presidente vetar a distribuição de absorventes para pessoas em vulnerabilidade social. CHEGA!!!", escreveu.

Samantha Schmutz fez uma publicação no Instagram para deixar registrada a revolta. "Vetar absorvente para as mulheres sem acesso é de uma crueldade absurda … ele não gosta das mulheres…", compartilhou. Na publicação, outros artistas como Fafy Siqueira, Carol Trentini, Rafael Zulu e Fabiana Karla comentaram concordando com Samantha e endossando o debate.

Relatório lançado pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em maio deste ano mostrou que cerca de 713 mil meninas brasileiras vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro em seu domicílio e mais de 4 milhões não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos