Lucro da Amazon recua 9% no terceiro trimestre; ações depencam 19%

A Amazon registrou lucro líquido de US$ 2,87 bilhões no terceiro trimestre deste ano, queda de 9% em relação ao lucro líquido de US$ 3,16 bilhões apurado no mesmo período de 2021, segundo resultados divulgados nesta quinta-feira.

As vendas de produtos somaram US$ 59,34 bilhões, avanço de 8,13% em relação ao período de julho a setembro do ano passado. Já a receita de serviços, que inclui assinaturas como Amazon Prime e Kindle Unlimited, cresceu 21,14% e alcançou US$ 67,761 bilhões.

No trimestre, a Amazon teve receita líquida total de US$ 127,101 bilhões, alta de 14,7% na base anual.

O mercado reagiu mal aos números no aftermarket, com os papéis caindo mais de 19%. No pregão regular, os papéis recuaram 4,06%, a US$ 110,96.

A companhia também divulgou projeções para o quarto trimestre, esperando vendas líquidas entre US$ 140 bilhões e US$ 148 bilhões, alta de 2% a 8% em relação ao mesmo período de 2021. A receita operacional deve chegar a US$ 4 bilhões, em comparação com os US$ 3,5 bilhões no quarto trimestre de 2021.

Valor de mercado

O valor de mercado da Amazon.com deve cair abaixo de US$ 1 trilhão depois que seu relatório de resultados anunciado nesta quinta-feira acendeu o alerta dos investidores .

As ações chegaram a cair 21%, para US$ 87,59 nas negociações after market, depois que a gigante do comércio eletrônico projetou receita no quarto trimestre abaixo da estimativa média dos analistas, enquanto as vendas em seus negócios críticos de serviços da web recuaram.

Se as perdas se mantiverem na sexta-feira, isso equivaleria a uma perda de aproximadamente US$ 240 bilhões - a maior queda para as ações desde 2006. Na quinta-feira, a Amazon tinha uma capitalização de mercado de US$ 1,13 trilhão. Seria a mais recente empresa americana a ver seu valor de mercado desmoronar este ano.

O ranking de empresas com avaliações superiores a US$ 1 trilhão diminuíram este ano com o aumento das taxas de juro dos EUA e a inflação mais alta em décadas, pesando particularmente sobre as ações das empresas de tecnologia.

A fabricante de carros elétricos Tesla, que já valeu mais de US$ 1,2 trilhão, viu seu valor de mercado cair para cerca de US$ 710 bilhões. O valor de mercado da Meta Platforms, controladora do Facebook, caiu mais de 75% em relação ao pico de US$ 1,08 trilhão no ano passado, tirando-a do ranking das 20 maiores empresas do mundo.

Até a Apple, cujos enormes fluxos de caixa e balanço patrimonial fizeram dela o destino favorito de investidores avessos ao risco, perdeu brevemente o título de empresa mais valiosa do mundo para a gigante petrolífera Saudi Aramco.