Após polêmica com Whindersson e Vitão, Luisa Sonza desabafa: "Viver assim é uma merda"

Bárbara Saryne
·2 minuto de leitura
A cantora não aguenta mais ser tão julgada (Foto: Reprodução/Instagram)
A cantora não aguenta mais ser tão julgada (Foto: Reprodução/Instagram)

Luisa Sonza não aguenta mais ver o seu nome envolvido em polêmicas. A cantora, que gravou um clipe quente com Vitão logo após se separar de Whindersson, tem sido duramente criticada por internautas. Triste com os julgamentos, ela desabafou em suas redes sociais na manhã desta segunda-feira (13).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

“Minha vida se resume em fazer tudo sempre certinho, mas, sem motivo nenhum, sem nenhuma evidência, ser maltratada e machucada como se tivesse errado, como se seu caráter, sua palavras e seus atos valessem menos do que qualquer coisa que alguém decida inventar ou deduzir da própria cabeça”, iniciou.

Leia também

Em outro post, Luisa disse que não é fácil viver nos holofotes e lamentou o fato de muitas pessoas não se importarem com o seu sofrimento. “Viver assim é uma merda. Mas ninguém nunca ligou, né? E tudo bem, me viro sozinha. Mas independente de qualquer coisa, ter a consciência tranquila é o que importa e, cara, isso eu tenho de sobra”, completou.

Recentemente, o ex-marido da cantora foi chamado de “corno” por conta de Luisa Sonza. Tudo começou quando Whindersson foi citado em “piadas” publicadas pelo deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP), que também é conhecido como Carteiro Reaça. O político postou uma foto em que Anitta aparece lambendo o bumbum da cantora no Carnaval e escreveu: “Vou perguntar para o Vitão que gosto tem”.

Luisa e Whindersson anunciaram o fim do casamento em abril, após pouco mais de um ano de união. Os artistas publicaram um texto nas redes sociais para comunicar aos fãs e garantiram que não existiu um “motivo maior” por trás da separação.