Luiza Brunet relembra batalha contra o câncer de útero: 'Ganhei mais vida'

·1 minuto de leitura

Em entrevista publicada nessa quinta-feira, aqui na ELA Digital, Luiza Brunet falou de sua relação com o vitiligo, que apareceu quando a modelo tinha apenas 2 anos. Ativista e empresária, ela virou também uma voz da doença que causa a despigmentação da pele. "Antes, as pessoas tinham fobia e escondiam a condição. Hoje, até mesmo com a ajuda da moda, a situação está melhor. Sempre falei sobre o assunto, mas acredito que nos últimos tempos, até mesmo por causa do meu discurso contra a violência doméstica, passaram a prestar mais a atenção. Vivemos numa sociedade que espera nossa perfeição, mas ninguém é perfeito", diz Luiza, nascida no Mato Grosso do Sul e radicada no Rio.

Luiza também gosta de alertar as mulheres sobre o câncer de útero, batalha que travou em 2015. "Durante uma consulta, descobri um tumor do tamanho de um limão. Três meses, estava como uma manga. Era grande, bem importante, mas benigno. Não tive medo. Depois da cirurgia, descobri que os médicos tiveram que retirar todos os meus órgãos reprodutores."

A modelo afirma que esse tipo de câncer é cercado de preconceitos. "E o responsável é o machismo. Muitos homens dizem que a mulher sem útero é oca, vazia, não transa, não goza... O que é uma mentira. Não perdi minha libido ou minha feminilidade. Não deixei de fazer sexo. Pelo contrário, ganhei mais vida. Então, meninas, vamos nos tratar."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos