Lukachenko fecha principal site da Belarus e processa jornalistas

·3 minuto de leitura

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - A ditadura da Belarus tirou do ar o principal site jornalístico independente do país, o Tut.by, como parte de uma prolongada operação de repressão a jornalistas, ativistas, políticos da oposição e cidadãos belarussos que se manifestam contra o regime. O Ministério da Informação da Belarus afirmou que o site foi bloqueado "devido a várias violações da lei de mídia, incluindo a publicação de informações proibidas".

Investigadores do Departamento de Investigações Financeiras do Comitê de Controle do Estado (DFR, órgão da Receita que já foi usado contra líderes da oposição) também revistaram a Redação do veículo, que está sendo processado por "evasão de impostos e taxas em uma escala especialmente grande", segundo a ditadura .

De acordo com repórteres do Tut.by, todos os equipamentos da empresa, como computadores e telefones --inclusive os que não funcionam--, foram confiscados, e cartões bancários foram apreendidos.

Para tentar driblar o bloqueio ao site, jornalistas de vários veículos criaram portais espelhos, para manter atualizada a cobertura da repressão. Eles relataram que casas de repórteres e editores do Tut.by foram revistadas e que há jornalistas que não estavam sendo localizados na tarde desta terça --o Ministério de Assuntos Internos disse não ter informação sobre detenções.

Desde agosto de 2020, quando estouraram protestos contra a reeleição --considerada fraudada por entidades internacionais-- de Alexandr Lukachenko, cerca de 70 sites de veículos de informação e entidades de direitos civis já foram fechados pela ditadura.

Jornalistas belarussos e estrangeiros foram espancados e detidos durante a cobertura de manifestações contra Lukachenko, e credenciais de correspondentes estrangeiros foram revogadas. Segundo a Associação de Jornalistas da Belarus, 521 jornalistas foram detidos no país, dos quais 16 ainda estão na cadeia, 11 deles sob acusações criminais.

Em fevereiro, as repórteres Daria Chulstova e Katerina Andreieva, do canal de TV de oposição Belsat, com sede na Polônia, foram condenadas a dois anos de prisão, por "promover agitação" ao cobrir um protesto.

No sábado, os repórteres Alexander Burakov e Vladimir Laptsevich foram detidos em frente a um tribunal na cidade de Mogilev, no leste do país, onde cobriam o julgamento do político da oposição Pavel Severinets, preso desde junho do ano passado.

Nesta segunda, o repórter do Tut.by Liubov Kasperovich foi condenado a 15 dias de prisão administrativa por "participar de um evento de massa não registrado", e a repórter investigativa Katerina Borisevich foi transferida de Minsk para Gomes dois dias antes de sua libertação --ela foi condenada em 2 de março, por reportagem que desmentia versão oficial sobre a morte de um manifestante.

Em rede social, a líder da principal frente de oposição a Lukachenko nas eleições, Svetlana Tikhanovskaia, chamou o ato do regime de "assassinato premeditado dos meios de comunicação".

Ela afirmou estar em contato com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. "Exigimos uma resposta urgente da UE, o lançamento urgente de um programa de apoio à mídia independente, proteção de jornalistas e ajuda para continuar trabalhando, apesar da repressão", disse em aplicativo de comunicação.

*

NÚMEROS DA REPRESSÃO

Desde o início da campanha eleitoral presidencial, em maio de 2020

2.300 processos criminais contra oponentes políticos, ativistas e manifestantes

631 julgamentos de processos criminais contra manifestantes, com mais de 400 condenações

332 processos criminais por difamação, injúria a funcionários públicos e policiais

377 presos políticos em centros de detenção

522 detenções de jornalistas, 16 ainda na cadeia

97 jornalistas condenados a prisão administrativa

62 jornalistas agredidos

3 jornalistas condenadas criminalmente

Fontes: Associação de Jornalismo da Belarus, Viazna

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos