Lula chega ao Planalto para tratar da demissão do comandante do Exército em reunião com ministros

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarcou em Brasília no final da tarde deste sábado e vai se reunir no Palácio do Planalto com os ministros José Múcio, da Defesa, e Rui Costa, da Casa Civil. O tema central da agenda será os efeitos da demissão do general Júlio César de Arruda do comando do Exército.

'Fratura de confiança': ministro da Defesa, José Múcio explica demissão de comandante do Exército

Bela Megale: Como o ex-comandante do Exército reagiu ao ser comunicado sobre sua demissão

A demissão do militar, segundo O GLOBO apurou, está relacionada à falta de alinhamento do general com Lula e ao comportamento do diante de acampamentos antidemocráticos que se instalaram em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília. Na avaliação de integrantes do governo, Arruda teria protelado a desocupação dos alojamentos e, após a invasão às sedes dos Poderes, não vinha contribuindo para o processo de pacificação entre o presidente e a caserna, mostrando-se resistente.

Um episódio recente agravou o incômodo de Lula com Arruda. O general vinha resistindo a revogar a designação do ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, o tenente-coronel Mauro Cid, para comandar o 1º Batalhão de Ações e Comandos, unidade de Operações Especiais. Cid foi escolhido para o posto em maio, durante a gestão anterior, mas só o assumiria em fevereiro. O Planalto já havia indicado que esperava que Arruda anulasse a nomeação.

A saída de Arruda do comando do Exército foi sacramentada um dia depois de Lula ter se reunido com os comandantes da Três Forças, entre eles Julio Cesar Arruda, no Planalto. Na ocasião, porém, a conversa girou em torno de propostas de modernização de Exército, Marinha e Aeronáutica. Não houve qualquer indício de rusgas, segundo o relato de participantes do encontro.

Com a demissão de Júlio César de Arruda do comando do Exército, o substituto escolhido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi o comandante militar do Sudeste, Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva. A escolha acontece um dia depois de Paiva pedir a sua tropa respeito aos resultados das urnas e chamar os últimos atos no país de "terremoto político".