Lula critica Bolsonaro em discurso e plateia ecoa grito: 'Sem anistia'

O pedido dos eleitores foi feito quando o presidente elencava uma série de críticas à gestão de seu antecessor

Brazil's President Luiz Inacio Lula da Silva arrives at the Planalto Palace after his swearing-in ceremony, in Brasilia, Brazil, January 1, 2023. REUTERS/Ricardo Moraes
Público reunido para assistir a posse de Lula, em 1° de janeiro de 2023 (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)

Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticava o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em discurso no parlatório do Palácio do Planalto neste domingo (1°), o público presente ecoou o grito de "sem anistia". A data marcou a cerimônia de posse do terceiro mandato do petista.

O novo presidente elencou uma série de críticas a medidas tomadas por seu antecessor. Os gritos ocorreram após a fala de Lula que afirmou encontrar um governo no qual faltavam recursos para várias áreas.

Durante o discurso, o presidente afirmou que faltam recursos para a compra de merenda escolar e mencionou o risco das universidades do país não concluírem o ano letivo, além de destacar que não existem recursos para a Defesa Civil e a prevenção de acidentes e desastres. "Quem está pagando a conta deste apagão é o povo brasileiro".

Após a fala sobre o governo do ex-presidente, Lula deu uma pausa em seu discurso para ouvir os gritos e beber água.

"O que o povo brasileiro sofreu nestes últimos anos foi a lenta e progressiva construção de um genocídio. Vivemos um dos piores períodos da nossa história. Uma era de sombras, de incertezas e de muito sofrimento. Mas esse pesadelo chegou ao fim", ressaltou Lula.

Anteriormente, em discurso realizado em posse no Congresso Nacional, o petista já tinha mencionado os supostos crimes cometidos na pandemia de Covid-19, que devem ser julgados.