Lula critica a 'tal da responsabilidade fiscal', e Bolsa cai com força; dólar dispara

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez um discurso nesta quinta-feira com críticas à "estabilidade fiscal", ao defender que é preciso colocar a questão social na frente de temas que interessam, nas suas palavras, apenas ao mercado financeiro. Lula também questionou haver uma meta de inflação e não ter meta para o crescimento do PIB. O mercado reagiu mal às declarações. A Bolsa ampliou as perdas no dia e cai mais de 3%. O dólar sobe com força, negociado a R$ 5,35.

Opinião: Lula tem de indicar logo seu ministro da Fazenda

Lula: Petrobras não será 'fatiada' e Banco do Brasil não será privatizado

— Por que as pessoas são levadas a sofrerem por conta de garantir a tal da estabilidade fiscal desse país? Por que toda hora as pessoas falam que é preciso cortar gastos, que é preciso fazer superávit, que é preciso fazer teto de gastos? Por que as mesmas pessoas que discutem teto de gastos com seriedade não discutem a questão social neste país? — disse Lula.

Lula deu a declaração ao discursar em um encontro com parlamentares aliados no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) em Brasília, onde funciona a transição de governo. Esta foi a primeira visita de Lula ao local.

O presidente eleito repetiu que é preciso mudar a forma de encarar determinados gastos que são feitos pelo poder público.

— É preciso mudar alguns conceitos. Muitas coisas que são consideradas como gastos neste país, precisam passar a ser encaradas como investimento. Não é possível que se tenha cortado dinheiro da Farmácia Popular em nome de que é preciso cumprir a meta fiscal, cumprir a regra de ouro — disse Lula.

Novo governo: Em três dias, Lula nomeou 12 ex-ministros de gestões do PT para transição

A regra de ouro impede que o governo se endivide para pagar despesas correntes. Enquanto a meta fiscal prevê uma meta para resultado das contas públicas. Já o teto de gastos trava o crescimento das despesas federais à inflação do ano anterior. Essas são as três regras fiscais em vigor no país.

PEC da Transição

O governo eleito discute uma Proposta de Emenda à Constituição (PE) para mudar o teto de gastos e aumentar despesas, como o Bolsa Família de R$ 600. Essa PEC, hoje, tem um custo de R$ 175 bilhões.

O presidente eleito disse que, durante seus dois mandatos, entre 2003 e 2010, o Brasil respeitou as metas fiscais, os índices de inflação e o país teve superávit, em vez de dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Lula também disse em seu discurso que a Petrobras não será "fatiada" e que o Banco do Brasil não será privatizado. Disse ainda que a PEC da Transição poderá ser apresentada hoje.