Lula dá ultimato e presidente do PSB vem ao Rio para pedir retirada da candidatura de Molon ao Senado

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Pressionado pelo ex-presidente Lula e pela Executiva nacional do PT, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, desembarca no Rio nesta quarta-feira e, entre seus compromissos, tentará demover a candidatura de Alessandro Molon (PSB) ao Senado. Desde a semana passada, cresce o movimento de petistas que defendem a retirada do apoio à candidatura a governador de Marcelo Freixo (PSB) diante da confirmação de Molon para o Congresso, concomitantemente à empreitada de André Ceciliano (PT). A decisão final precisa ser tomada até a próxima sexta, data limite imposta pela Executiva nacional petista para que o tema seja definido. O prazo foi referendado nesta quarta pela presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. Na última semana, em ato simbólico, o partido decidiu adiar a convenção estadual do Rio para pressionar os pessebistas.

Leia mais: Lula muda tom em relação a Lira e diz que não interfere na eleição a presidente da Câmara

Saiba: Justiça suspende inquérito contra Moro e Rosângela por suposta fraude eleitoral

Dias antes, o PSB do Rio aprovou em convenção as candidaturas de Freixo e Molon - o que desagradou os petistas e gerou mal-estar até mesmo entre os pessebistas. Molon é presidente estadual da legenda. Por isso, a sua candidatura não pôde ser demovida em nível estadual. Diante disso, o assunto passou a ser tratado pelas duas Executivas nacionais. O ex-presidente Lula foi um dos que interveio e, em conversa com Siqueira, pediu para que o assunto fosse resolvido dentro do PSB e não fosse necessária uma atitude radical dos petistas. Siqueira e Molon se encontrarão na tarde desta quarta, em evento do partido em que Freixo e Cesar Maia oficializarão a aliança. Uma reunião sobre a corrida ao Senado deve ser realizada nesta quinta.

Nos bastidores, Freixo não esconde a insatisfação com a manutenção da candidatura do correligionário, que gera insatisfação em Lula. A aliados, o candidato ao governo tem dito que uma eleição ao Senado não pode pautar um projeto para o governo e define o impasse como uma "inversão de valores". No mês passado, ele e Molon chegaram a trocar farpas.

Na convenção, contudo, Freixo se mostrou resignado e disse que a chapa teria dois postulantes ao Senado: Ceciliano e Molon. A Justiça Eleitoral autorizou a inscrição de mais de um candidato apesar de haver apenas uma vaga ao Senado em disputa este ano. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse que a oficialização do nome de Molon tornou necessária a reabertura do debate:

— A nossa aliança com o Rio é com o PSB, mas nós queremos ter uma discussão séria com o PSB sobre a composição. Nós tínhamos um acordo lá para indicar a candidatura ao Senado. Isso daí traz força à chapa, musculatura.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos