Lula defende parceria para “cuidar” da Amazônia e diz que Brasil é “dono” da floresta

Lula prometeu construir parcerias com muitos países, num possível governo, para cuidar da Amazônia sobre a qual “todos têm responsabilidade”. REUTERS/Carla Carniel
Lula prometeu construir parcerias com muitos países, num possível governo, para cuidar da Amazônia sobre a qual “todos têm responsabilidade”. REUTERS/Carla Carniel
  • Ex-presidente disse ser possível extrair da biodiversidade do bioma o suficiente para sustentar até 30 milhões de brasileiros;

  • Amazônia é de interesse e sobrevivência da humanidade, afirmou;

  • Lula prometeu construir parcerias com muitos países, num possível governo, para cuidar da Amazônia sobre a qual “todos têm responsabilidade”.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniu nesta segunda-feira (29) com deputados do Parlamento Europeu em São Paulo (SP). No discurso em um hotel na capital paulista, o candidato ao Palácio do Planalto defendeu a soberania brasileira sobre a Amazônia, mas destacou a importância da parceria com a União Europeia para “cuidar” do bioma.

"Se nós ganharmos as eleições, vai ficar muito claro que o Brasil precisa da União Europeia. Nós precisamos de ajuda, nós precisamos de parceria, seja do ponto de vista de investimento, seja do ponto de vista de troca de ciência e tecnologia, seja do ponto de vista da participação na construção de um mundo efetivamente limpo, sem emissão de gás carbônico. E o Brasil pode ser protagonista nisso", afirmou Lula.

O candidato petista disse que as pessoas sabem a importância da questão climática mas “teimam” em não respeitar o meio ambiente. Além disso, disse que pretende construir parcerias com muitos países, num possível governo, para cuidar da Amazônia sobre a qual “todos têm responsabilidade”.

"O Brasil pretende construir parcerias com muitos países, embora o Brasil seja o dono do território da Amazônia, a Amazônia é de interesse e sobrevivência da humanidade e, portanto, todos têm responsabilidade para ajudar a cuidar da Amazônia", afirmou o candidato do PT.

Lula apontou ser possível extrair da biodiversidade do bioma o suficiente para “sustentar quase 30 milhões de brasileiros”. O candidato ainda afirmou que, se eleito, vai propor à Organização das Nações Unidas (ONU) um novo modelo de governança, que terá a pauta ambiental como um dos pilares de atuação.

“A geografia do mundo mudou. Os países mudaram. O que nós precisamos é repactuar os participantes, colocar outros países, para que a gente crie uma governança e preste atenção numa coisa séria: a gente não resolverá a questão climática se não tiver uma governança mundial que decida e que todos temos que cumprir", declarou o ex-presidente.