Lula descarta versão "paz e amor", é pressionado, mas se sai bem no Jornal Nacional

Lula participou de sabatina do Jornal Nacional nesta quinta-feira (25) (Foto: Reprodução/TV Globo)
Lula participou de sabatina do Jornal Nacional nesta quinta-feira (25) (Foto: Reprodução/TV Globo)

O ex-presidente Lula (PT) foi o terceiro entrevistado na série de sabatinas do Jornal Nacional, da TV Globo. As notícias de bastidores geraram a expectativa da volta do “Lulinha paz e amor”. Este, no entanto, não compareceu à entrevista.

O Lula que esteve presente, de rosto vermelho, mostrou certo nervosismo e uma pitada de ressentimento com a emissora, mas se saiu bem nas respostas.

A maior parte das perguntas, e também das respostas, foram mais focadas no passado do que no futuro. Questionado sobre corrupção e pressionado para assumir que houve casos nos governos em que presidia o Brasil, Lula manteve o foco em ressaltar a criação de órgãos de fiscalização durante as gestões petistas. Sérgio Moro, apesar do esforço para aparecer ao longo do dia, sequer foi citado pelo petista.

Ao tratar do tema da corrupção, Lula cutucou a emissora e a imprensa de forma geral, dizendo que, no Brasil, pessoas foram condenadas por manchetes de jornal. Contrário à tendência bolsonarista de se irritar com mulher, o petista parecia mais calmo quando respondia às perguntas de Renata Vasconcellos que de Willian Bonner.

O ex-presidente não mostrou tranquilidade, mas moderação. Citou os feitos da economia como forma de tentar provar que tem capacidade de recuperar o Brasil diante da situação atual. Evitou falar sobre indicações baseadas em lista tríplice e recorreu, novamente, ao passado, lembrando que fez outras escolhas com base nos três nomes indicados.

Criticado com frequência por esconder Dilma Rousseff, sucessora escolhida por ele, Lula exaltou a ex-presidente, em especial pela gestão feita na Casa Civil quando ele era o presidente. Fez “mea-culpa” por erros econômicos de Dilma, mas imputou responsabilidade também ao ex-deputado Eduardo Cunha e a Aécio Neves.

Quem também ganhou elogios foi Geraldo Alckmin: Lula negou que ainda haja resistência a ele dentro do PT.

Lula aproveitou também o espaço para fazer críticas duras a Jair Bolsonaro, diretas e indiretas. De forma sutil, citou o educador Paulo Freire. De forma bem menos sutil, disse que o atual presidente parece um “bobo da corte” e declarou que Bolsonaro não manda no país, porque quem detém o poder sob o orçamento secreto é o presidente da Câmara, Arthur Lira.

O petista não foi questionado sobre fome, apenas sobre o papel do MST em um eventual governo. Ainda assim, cavou espaço para citar a “picanha e a cervejinha”, argumento repetido desde o princípio da pré-campanha.

SABATINA DO JORNAL NACIONAL

O Jornal Nacional, da TV Globo, realiza tradicionalmente a sabatina de perguntas com os candidatos à Presidência da República mais bem colocados nas pesquisas eleitorais.

A condução dos questionamento é feita pelos apresentadores do Jornal Nacional: William Bonner e Renata Vasconcellos. As entrevistas ocorrem nos estúdios da Globo no Rio de Janeiro.

A sabatina pela qual os candidatos serão submetidos é considerada fundamental por estrategistas das campanhas, que veem uma boa possibilidade de conseguir "furar a bolha" e expor suas ideias no telejornal de maior audiência do país. As sabatinas do Jornal Nacional preveem 40 minutos de participação de cada candidato.

Veja como foi a sabatina de Jair Bolsonaro no Jornal Nacional

Veja como foi a sabatina de Ciro Gomes no Jornal Nacional

O primeiro presidenciável entrevistado foi o atual presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL). Bolsonaro abriu a série de entrevistas na segunda-feira (22). Ciro Gomes, do PDT, foi o entrevistado de terça (23). Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participa nesta quinta (25) e Simone Tebet (MDB) fechará a série, na sexta (26).

A seleção dos candidatos teve por base as cinco melhores colocações na pesquisa eleitoral divulgada pelo Datafolha em 28 de julho: Lula, Bolsonaro, Ciro, Tebet e André Janones (Avante). Janones, no entanto, decidiu retirar sua candidatura.

A ordem das entrevistas e as datas foram decididas em um sorteio realizado em 1º de agosto com representantes dos partidos.