Lula divulga carta com 13 compromissos às vésperas da eleição

Na
Na "Carta para o Brasil do amanhã", Lula fala sobre redução da fome, combate à precarização do emprego e reposicionamento do Brasil no cenário internacional (Foto: REUTERS/Carla Carniel)

Na última quinta-feira (27), o candidato Luiz Inácio Lula da Silva divulgou um documento intitulado “Carta para o Brasil do amanhã”, com 13 compromissos para o país. Os temas abordados vão da economia à educação, passando pelo desenvolvimento sustentável.

Na carta, o petista começa dizendo que a eleição de 2022 não se trata de um pleito normal, mas de uma escolha entre “dois projetos completamente diferentes para o Brasil” – com críticas diretas ao opositor, Jair Bolsonaro (PL).

“Um é o país do ódio, da mentira, da intolerância, do desemprego, dos sa­lários baixos, da fome, das armas e das mortes, da insensibilidade, do ma­chismo, do racismo, da homofobia, da destruição da Amazônia e do meio ambiente, do isolamento internacional, da estagnação econômica, do apre­ço à ditadura e aos torturadores. Um Brasil de medo e insegurança com Bolsonaro”, diz o ex-presidente na carta.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

“Outro é o país da esperança, do respeito, do emprego, dos salários de­centes, da aposentadoria digna, dos direitos e oportunidades para todas e todos, da vida, da saúde, da educação, da preservação do meio ambiente, do respeito às mulheres, à população negra e à diversidade; da integração soberana ao mundo, da comida no prato e, sobretudo, do compromisso inabalável com a democracia. Um Brasil de esperança, um Brasil para todos.”

Segundo Lula, a primeira medida a ser tomada é tirar 100 milhões de brasileiros da pobreza e minimizar os efeitos da fome, que atinge 33 milhões de pessoas. “A democracia só será verdadeira quando toda a população tiver acesso a uma vida digna, sem exclusões”, diz o petista.

Veja os pontos citados na carta de Lula:

  1. Desenvolvimento econômico com investimentos: o candidato promete “investir em serviços públicos e so­ciais, em infraestrutura econômica e em recursos naturais estratégicos” e fala também de enfrentar o desemprego e a precarização do trabalho.

  2. Desenvolvimento social com trabalho e renda: Lula fala em “salário-mínimo forte”, “novo Bolsa Família” no valor de R$ 600, programa “Desenrola Brasil” para renegociação de dívidas, “Imposto de Renda Zero” para brasileiros com renda de até R$ 5 mil e, por fim, igualdade salariam para homens e mulheres na mesma função.

  3. Desenvolvimento sustentável e transição ecológica: “Nosso compromisso estratégico é buscar o desmatamento zero na Ama­zônia e emissão zero de gases do efeito estufa na matriz elétrica. Vamos apoiar a grande agricultura de baixo carbono e a agricultura familiar com crédito, garantias e assistência. Vamos criar o Ministério dos Po­vos Originários e revogar as medidas contrárias as populações indígenas e povos originários. Vamos reconstruir os órgãos de fiscalização e controle do desmatamento. Vamos acabar com o garimpo ilegal em terras indí­genas”, promete Lula na carta.

  4. Educação: Segundo Lula, se eleito, ele irá construir creches, aumentar recursos para a merenda escolar e implantar o Ensino em Tempo Integral, com bolsa-estudante para quem completar o Ensino Médio. O petista prometeu ainda fazer o Ensino Técnico Profissionalizante e fortalecer o ingresso nas universidades.

  5. Saúde: “Para assegurar a saúde e a tranquilidade das famílias, vamos fortalecer o SUS, retomar o Farmácia Popular, implantar o Médicos Pelo Brasil para atender a população de todos os municípios brasileiros; promover mutirões emergenciais em todo o país para zerar as filas de consultas, exames e cirurgias que não foram realizados na pandemia, criar o Centro Nacional de Telemedicina e investir no atendimento integral à Saúde da Mulher. Vamos reconstruir o Programa Nacional de Vacinação. A vida é o nosso bem mais precioso”, diz o documento.

  6. Habitação e infraestrutura: A proposta é retomar o Minha casa Minha Vida, o Luz para Todos e a construção de Cisternas. Segundo Lula, serão retomadas as obras paradas e haverá um Novo PAC.

  7. Segurança: Lula sugere a criação do Ministério da Segurança Pública e a implementação do Sistema Único de Segurança Pública.

  8. Cultura e Esportes: Segundo o petista, será recriado o Ministério da Cultura, com implementação de comitês estaduais de cultura. Além disso, Lula quer aumentar o investimento no Bolsa Atleta, para estimular crianças à prática esportiva.

  9. Direitos Humanos e Cidadania: O compromisso firmado por Lula é o de “enfrentar as discriminações e preconceitos estruturais da sociedade brasileira, como o machismo, o racismo, a LGBTfobia, o capacitismo com as pessoas com deficiência, os preconceitos geracionais com idosos e a ju­ventude”.

  10. Reindustrialização do Brasil: A promessa do petista é de “construir uma estratégia nacional para avançar em direção à eco­nomia do conhecimento” para que o país não dependa da importação de respiradores, fertilizantes nem diesel e gasolina.

  11. Agricultura sustentável: “Para garantir e ampliar essa vantagem competitiva do país, vamos compatibilizar a produção com a preservação de recursos naturais, porque isso é necessário num mundo que enfrenta a crise climática e exige cada vez mais o consumo de alimentos saudáveis. Investiremos fortemente na Embrapa e no fi­nanciamento ao agronegócio, aos pequenos e médios produtores e à agricultu­ra familiar e aos assentamentos”, explica.

  12. Política externa: A previsão de Lula, em caso de vitória, é de tentar “superar o isolamento internacional”, com o objetivo de reposicionar o Brasil “como protagonista no mundo”.

  13. Democracia e liberdade: Por fim, o petista reforça o compromisso com a democracia. “O Brasil não pode mais ficar nas mãos de quem admira a ditadura militar e idolatra monstruosos torturadores. O Brasil não pode ficar entregue a pessoas que ques­tionam nosso processo eleitoral, procurando criar condições para golpes e aven­turas totalitárias. O Brasil não pode estar submetido a um governante que agride sistematicamente o STF e o TSE e já ameaçou fechar o Congresso.”