Lula diz que atentado à Kirchner é um alerta e critica Bolsonaro

Sem citar Bolsonaro, Lula afirmou que é preciso estar atento “a violência provocada por aqueles que não sabem viver democraticamente” ao falar sobre à tentativa de atentado sofrida pela vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner. (Foto: REUTERS/Carla Carniel)
Sem citar Bolsonaro, Lula afirmou que é preciso estar atento “a violência provocada por aqueles que não sabem viver democraticamente” ao falar sobre à tentativa de atentado sofrida pela vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner. (Foto: REUTERS/Carla Carniel)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) respondeu, nesta sexta-feira (2) que o atentado sofrido pela vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, ontem tem que ser visto como um alerta “para o que pode acontecer no Brasil”.

Segundo o petista, todos os dias são feitas “insinuações” na imprensa e, “quem faz insinuação pode cumprir aquilo que está prometendo'', afirmou sem mencionar o presidente Jair Bolsonaro (PL), seu principal opositor no pleito atual. O candidato acrescentou que o governante “não está habituado” a viver democraticamente.

“O bom senso indica que precisamos ficar alertas para o que pode acontecer no Brasil, porque nós temos visto todo santo dia na imprensa uma insinuação. E quem faz insinuação pode cumprir aquilo que está prometendo”, declarou à imprensa em São Luiz do Maranhão, na tarde desta sexta.

“O atual presidente da República e candidato não está habituado a conviver democraticamente”, acrescentou, seguindo com uma lista de setores e grupos minoritários que, de acordo com o petista, nunca foram recebidos pelo atual mandatário.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

“[Bolsonaro] não está habituado a ouvir nenhum segmento da sociedade. Ele vai terminar o mandato dele e nunca se reuniu com os sindicalistas, com indígenas, com os quilombolas, as entidades que representam mulheres. Ou seja: ele não se reúne com ninguém, a não ser com a turma dele para fazer fake news”, apontou.

Lula menciona que foi ao Maranhão para visitar a Casa da Mulher Brasileira após Bolsonaro dizer que o projeto era dele, quando na verdade foi executado por Dilma Rousseff (PT).

“Para ele, mentir ou dizer a verdade não tem diferença”, acrescentou. Mencionando, dessa vez, as obras de transposição do Rio São Francisco que Bolsonaro recebeu com mais de 90% da estrutura concluída, mas anuncia como se fosse do governo dele

“Todos nós que somos políticos temos que estar atentos a violência provocada por aqueles que não sabem viver democraticamente”, concluiu o ex-presidente.