Chapa de Lula e Alckmin é 'Marcola e Beira-Mar se unindo', diz Bolsonaro no Flow

Bolsonaro (PL) comparou a aliança de Lula (PT) e Alckmin com a união entre 'Marcola e Fernandinho Beira-Mar', em entrevista ao Flow Podcast. (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Bolsonaro (PL) comparou a aliança de Lula (PT) e Alckmin com a união entre 'Marcola e Fernandinho Beira-Mar', em entrevista ao Flow Podcast. (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) comparou a aliança do ex-presidente Lula (PT) e do ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) na chapa que vai concorrer à Presidência com a união entre os narcotraficantes 'Marcola', o Marcos Willians Herbas Camacho, e 'Fernandinho Beira-Mar', o Luiz Fernando da Costa.

"Lula e Alckmin é Marcola e Beira-Mar se unindo para combater o narcotráfico no Brasil (...). Querem voltar à cena do crime", afirmou Bolsonaro, em entrevista ao Flow Podcast, na noite desta segunda-feira (8).

Na ocasião, Bolsonaro comentava sobre um possível sentimento 'anti-petista' que, segundo ele, dominou o país. "Agora você vê o Alckmin lá: 'Lula, Lula', pô, eu fiquei com vergonha", declarou.

Momentos antes, o presidente afirmou que não "está interessado" em qualquer cargo que lhe conceda imunidade ou uma possível blindagem caso perca as eleições presidenciais em 2022. A ideia de criar um cargo de "senador vitalício" para ex-presidentes chegou a ser articulada por políticos do Centrão no ano passado.

"Não estou interessado nisso. (Porque) vão dizer que eu estou pedindo arrego, que eu 'peidei na farofa. Não tenho interesse. O que eu não quero meu país indo pra esquerda, que embarque no trenzinho Cuba Chile, Venezuela, Colômbia", afirmou Bolsonaro, em entrevista ao Flow Podcast, na noite desta segunda-feira (8).

Em outubro de 2021, lideranças do Centrão trabalhavam na elaboração de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) para criar o cargo de “senador vitalício” que beneficiaria todos os ex-presidente da República.

A articulação seria dos partidos do Centrão, com o objetivo de evitar que Bolsonaro perca a imunidade parlamentar, caso não consiga ser reeleito. Sem o foro privilegiado, Bolsonaro corre o risco de responder por crimes dos quais é suspeito.

Veja como foram as últimas pesquisas eleitorais de 2022:

Bolsonaro no Flow

Bolsonaro concede entrevista ao Flow Podcast após agenda na capital paulista — Bolsonaro se reuniu nesta segunda (8) com executivos da Febraban (Federação Brasileira de Bancos). O atual chefe do Executivo é o primeiro presidenciável entrevistado no podcast.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB) já foram convidados para participar do programa no período pre-eleitoral, mas ainda não há confirmação de datas.

Na sexta-feira (5) passada, Bolsonaro decidiu que irá aos estúdios da TV Globo no Rio de Janeiro dar uma entrevista ao Jornal Nacional. Lula, Ciro e Tebet também serão entrevistados pelo jornal.

O desejo de Bolsonaro era ser sabatinado no Palácio da Alvorada, em Brasília, contrariando as regras da TV Globo, que irá entrevistar os candidatos do PT, do PDT e do MDB nos estúdios do canal.

A emissora esclareceu que foi decidido, desde as eleições de 2014, que todas as entrevistas devem ser concedidas no mesmo local, para garantir igualdade de tratamento entre os candidatos.

O Jornal Nacional convidou os cinco candidatos mais bem ranqueados nas pesquisas, segundo a última pesquisa do Instituto Datafolha, do dia 28 de julho.