Preocupados com governo Bolsonaro, Lula e FHC se reúnem em São Paulo

·2 minuto de leitura
(ARQUIVO) O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante evento em Genebra, em 06 de março de 2020

Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso expressaram sua preocupação com os rumos do governo de Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia durante uma reunião em São Paulo, informou Lula nesta sexta-feira (21).

"Os ex-presidentes tiveram uma longa conversa sobre o Brasil, sobre nossa democracia, e o descaso do governo Bolsonaro no enfrentamento da pandemia" que já deixou quase 450 mil mortos no pais, escreveu Lula no Twitter.

A reunião foi na semana passada, na casa do jurista Nelson Jobim em São Paulo, detalhou Lula, a quem as últimas pesquisas consideram o favorito perante Bolsonaro às eleições de outubro de 2022.

O Instituto Lula publicou uma foto dos dois ex-presidentes usando máscaras e se cumprimentando com os punhos fechados.

A oposição entre o sociólogo centrista Fernando Henrique (1995-2002) e o sindicalista de esquerda Lula (2003-2010) estruturou a vida política do Brasil durante mais de duas décadas.

Lula, 75 anos, recuperou recentemente seus direitos políticos após a anulação de suas condenações por corrupção, uma das quais o deixou preso por quase 18 meses entre 2018 e 2019.

As pesquisas preveem uma polarização do eleitorado entre Lula e Bolsonaro, que enfrenta uma erosão de sua popularidade. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito no Senado investiga sua responsabilidade pelo atraso na vacinação e seus gestos de desafio às medidas de isolamento social recomendadas para conter a pandemia do coronavírus.

Nas últimas semanas, Bolsonaro tentou mobilizar suas bases ultraconservadoras em atos que visaram o Congresso e o Supremo Tribunal Federal.

FHC, que derrotou Lula em duas eleições, disse na semana passada que se tivesse que escolher entre Bolsonaro e Lula votaria no fundador do Partido dos Trabalhadores (PT).

"Não sei se representa o futuro do Brasil, mas Bolsonaro representa um futuro que não tem meu entusiasmo. Se não houver uma terceira via significativa, vou de Lula. Quem não tem cão, caça com gato", declarou FHC, considerado o pai da estabilização econômica do Brasil graças ao plano Real, de 1994, que conteve a hiperinflação.

Fernando Henrique disse ter anulado seu voto nas eleições de 2018 para evitar a opção entre Bolsonaro e Fernando Haddad, herdeiro político de Lula.

Desde que Lula chegou ao poder em 2003, não há registros de encontros políticos entre ambos. A última vez que se viram foi em fevereiro de 2017, quando FHC visitou Lula no hospital onde estava internada sua esposa, Marisa Letícia, que morreu após sofrer um AVC.

Lula multiplicou nas últimas semanas seus contatos com dirigentes de esquerda e de centro, sem se declarar oficialmente candidato.

"Se [em 2022] eu for o melhor colocado para vencer e estiver com boa saúde, então sim, não vou hesitar", disse Lula em entrevista publicada esta semana pela revista francesa Paris-Match.

js/mel/jc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos