Lula e Tebet selam acordo, mas foto fica para depois

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 16.08.2022 - A senadora Simone Tebet (MDB-MS), que declarou apoio a Lula no segundo turno. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 16.08.2022 - A senadora Simone Tebet (MDB-MS), que declarou apoio a Lula no segundo turno. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em um almoço descrito como harmonioso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a senadora Simone Tebet selaram, nesta quarta-feira (5), acordo para o segundo turno.

No encontro, ficou acertado que Tebet anunciaria o apoio a Lula, mas a foto dos dois será registrada em um segundo encontro, provavelmente nesta quinta-feira (6).

Tebet apresentou, e o petista concordou incorporar ao seu programa, propostas encampadas por Tebet no primeiro turno.

Lula convidou Tebet a participar da campanha. A senadora deverá colaborar. Terceiro lugar no primeiro turno, a senadora fará um pronunciamento.

O rito é para que ela figure como protagonista nessa decisão.

Ainda segundo participantes, Lula e Tebet almoçaram na casa da ex-ministra Marta Suplicy.

Além dos dois, participaram do almoço o ex-governador Geraldo AlcKmin, vice do petista, e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR).

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, que participou do almoço, afirmou que Tebet apresentou propostas para serem incorporadas no plano de governo, relacionadas a temas como educação, saúde e mulheres.

Segundo Gleisi, Simone foi convidada "com todo o entusiasmo" para participar ativamente da campanha.

Ela disse ainda que a senadora e Lula deverão se reunir publicamente amanhã ou, "no mais tardar", sexta-feira (7).

Na noite de terça-feira (4), a senadora se reuniu com Alckmin, a quem entregou caderno de suas propostas.

Lula já havia conversada, nesta segunda-feira (3), com Tebet, que foi candidata do MDB à Presidência.

Antes do telefonema, o vice da chapa de Lula, Geraldo Alckmin, também conversou com a senadora, terceira colocada no primeiro turno.

Após uma série de contatos, o telefonema de Lula foi intermediado pela mulher do ex-presidente, a socióloga Rosângela da Silva.