Lula eleito presidente: abstenção cai pela 1ª vez no 2º turno de eleição presidencial desde a redemocratização

Urna eletrônica
Urna eletrônica

O segundo turno desta eleição presidencial foi a primeira vez desde a redemocratização que a abstenção caiu entre os dois turnos de votação.

Com 99,58% das urnas apuradas, 20,56% dos eleitores não votaram, 0,39 ponto percentual abaixo do registrado no primeiro turno, quando a abstenção foi de 20,95%.

Em 1989, na eleição de Fernando Collor, a abstenção passou de 11,93% para 14,39% no segundo turno.

Em 1994 e 1998, a eleição e a reeleição de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foram definidas no primeiro turno — o índice foi de 17,77% e 21,49% respectivamente.

Em 2002, quando Lula se elegeu pera primeira vez, subiu de 17,74% para 20,47% e, em 2006, sua reeleição, de 16,75% para 18,99%.

Em 2010, passou de 18,12% para 21,47% e, em 2014, de 19,39% para 21,10%. Dilma Rousseff (PT) foi eleita nas duas ocasiões.

Em 2018, quando Bolsonaro se elegeu pela primeira vez, contra o petista Fernando Haddad, cresceu de 20,33% para 21,30%.

Passe livre e operações da PRF

Eleitora votando
Abstenção foi um dos principais temas desta eleição

O efeito da abstenção sobre o primeiro turno e no resultado final foi muito discutido nesta eleição, porque estudos indicam que ela prejudica mais Lula, por ser maior entre os eleitores com menor renda e escolaridade, parcela da população em que o petista liderava nas intenções de voto.

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que, neste segundo turno, as prefeituras que condessem passe livre no transporte público não estariam infringindo a Lei de Responsabilidade Fiscal. Também foi proibida a redução do volume de transporte disponível para a população na eleilção.

A decisão atendeu um pedido feito pelo partido Rede Sustentabilidade.

O entendimento da Corte foi de que as medidas são importantes para garantir que os eleitores, especialmente os mais pobres, consigam exercer seu direito ao voto.

No domingo de votação (30/10), centenas de operações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), boa parte delas no Nordeste, foram criticadas como uma tentativa de dificultar o voto a favor de Lula.

Mapa de votos para Lula e Bolsonaro por Estado no Brasil
Mapa de votos para Lula e Bolsonaro por Estado no Brasil

O atual diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques, havia declarado em seu Instagram voto em Bolsonaro.

A PRF disse que as operações eram para fiscalizar o cumprimento do Código de Trânsito.

No sábado (29/10), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já havia determinado que a PRF não fizesse operações no transporte público, para não atrapalhar a votação.

Vasques foi intimado pelo atual presidente do TSE, Alexandre Moraes, a interromper as operações.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-63421487