Lula entre as mais pobres e Bolsonaro nas mais ricas: veja as cidades em que os candidatos receberam mais votos

A vitória de Lula (PT) sobre o presidente Jair Bolsonaro (PL), com pouco mais de 2 milhões de votos de diferença, se reflete também nos recortes sociais das cidades. Levando em conta o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que compara indicadores de riqueza, alfabetização, educação, esperança de vida e natalidade nas localidades, os presidenciáveis se dividem. Entre os 20 menos desenvolvidos, Lula ganhou em 19. Já entre os municípios mais ricos, Bolsonaro venceu em 17.

Protestos e bloqueios: Moraes chama atos de 'ilícitos, antidemocráticos e criminosos' e garante que não há como contestar resultados

Meio-ambiente: Mourão avalia convidar Geraldo Alckmin a reunião de Conselho da Amazônia, órgão coordenado pelo vice-presidente

De um lado, a supremacia de Lula entre os mais pobres se concretiza em municípios com IDH entre 0.418 e 0.488. A lista envolve seis cidades do Pará, quatro do Amazonas, duas de Roraima, Piauí e Maranhão e uma do Acre, Alagoas, Bahia e Pernambuco. Nesses 20 municípios, o petista conquistou 71,43% dos eleitores. A cidade de Manari, no interior de Pernambuco, foi onde o agora presidente eleito obteve a maior votação (89,38%), enquanto Anajás, no Pará, a menor (50,82%).

O destaque para esta conta vai para Amajari, em Roraima. A décima quarta cidade mais pobre do país foi a única do ranking em que Lula perdeu para Bolsonaro. Na localidade, o chefe do Executivo obteve 71,43% dos votos válidos.

— Essas cidades sempre foram muito negligenciadas pelas políticas públicas e perceberam quando houve uma ampliação da proteção social. O cálculo eleitoral é o de priorização: pessoas próximas ao eleitor se beneficiaram de programas instituídos pelo PT — explica a cientista política Luciana Santana, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

Previsto em lei: manifestantes que pedem intervenção militar podem ser enquadrados em crime contra Estado democrático

Entre as 20 mais ricas, Bolsonaro ganhou em 17. Os municípios estão espalhados pelo Sudeste e Sul, em estados como São Paulo, Santa Catarina, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Paraná. Entre os 20 com maior IDH, a média de votação do chefe do Executivo foi de 59,48%.

Niterói (RJ), Araraquara (SP) e Nova Lima (MG) são as exceções: nesses municípios, os eleitores seguiram a polarização nacional e Lula venceu com uma diferença de no máximo 2% dos votos.

— A sobrevivência não dita mais o voto, as variáveis passam a ser outras. O que move o eleitorado bolsonarista é o juízo de valor no ponto de vista moral — afirma Santana.

Veja a lista de quem ganhou nas cidades com menor IDH:

Melgaço (PA): 67,73% (Lula)

Fernando Falcão (MA): 78,02% (Lula)

Atalaia do Norte (AM): 80,40% (Lula)

Marajá do Sena (MA): 77,90% (Lula)

Uiramutã (RR): 68,20% (Lula)

Chaves (PA): 67,26% (Lula)

Jordão (AC): 58,01% (Lula)

Bagre (PA): 78,74% (Lula)

Cachoeira do Piriá (PA): 73,56% (Lula)

Itamarati (AM): 76,88% (Lula)

Santa Isabel do Rio Negro (AM): 73,94% (Lula)

Ipixuna (AM): 68,10% (Lula)

Portel (PA): 66,18% (Lula)

Amajari (RR): 77,20% (Bolsonaro)

Anajás (PA): 50,82% (Lula)

Inhapi (AL): 83,90% (Lula)

São Francisco de Assis do Piauí (PI): 77,45% (Lula)

Itapicuru (BA): 84,01% (Lula)

Manari (PE): 89,38% (Lula)

Caxingó (PI): 85,29% (Lula)

Veja a lista de quem ganhou nas cidades com maior IDH:

São Caetano do Sul (SP): 60,07% (Bolsonaro)

Águas de São Pedro (SP): 67,81% (Bolsonaro)

Florianópolis (SC): 53,33% (Bolsonaro)

Balneário Camboriú (SC): 74,57% (Bolsonaro)

Vitória (ES): 54,70% (Bolsonaro)

Santos (SP): 56,20% (Bolsonaro)

Niterói (RJ): 51,21% (Lula)

Joaçaba (SC): 72,55% (Bolsonaro)

Brasília (DF) : 58,81% (Bolsonaro)

Curitiba (PR): 64,78% (Bolsonaro)

Jundiaí (SP): 63,67% (Bolsonaro)

Valinhos (SP): 64,45% (Bolsonaro)

Vinhedo (SP): 67,09% (Bolsonaro)

Santo André (SP): 52,13% (Bolsonaro)

Araraquara (SP): 50,50% (Lula)

Santana de Parnaíba (SP): 54,82% (Bolsonaro)

Nova Lima (MG): 51,13% (Lula)

Ilha Solteira (SP): 56,02% (Bolsonaro)

Americana (SP): 67,26% (Bolsonaro)

Belo Horizonte (MG): 54,25% (Bolsonaro)