Lula escolhe líderes do governo na Câmara, Senado e Congresso

BRASÍLIA, DF, BRASIL, 29-12-2022: O presidente eleito, Lula, chega acompanhado de sua esposa Janja para o anúncio dos últimos ministros de seu futuro governo, no CCBB, em Brasília. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 29-12-2022: O presidente eleito, Lula, chega acompanhado de sua esposa Janja para o anúncio dos últimos ministros de seu futuro governo, no CCBB, em Brasília. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

BRASÍLIA, DF, E LONDRES, REINO UNIDO (FOLHAPRESS) - O presidente diplomado Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou nesta quinta-feira (29), além de ministros, quem serão os líderes do seu governo na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e no Congresso Nacional.

Para a Câmara, foi escolhido o deputado José Guimarães (PT-CE); para o Senado, Jaques Wagner (PT-BA); e para o Congresso, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Guimarães foi o escalado por Lula para articular a PEC da Gastança na Câmara, onde a negociação chegou a travar durante o julgamento das emendas de relator pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Ele substitui Reginaldo Lopes (PT-MG), que deixa a liderança, mas seguirá na Casa após não ter sido contemplado por um ministério.

Antes, Jaques Wagner foi o escolhido pelo partido para avançar a PEC no Senado quando ela empacou, antes mesmo de o texto sequer ir para votação na Comissão de Constituição e Justiça.

Wagner, que também foi cotado para alguns ministérios no início da transição, assume o posto que hoje pertence a Paulo Rocha (PT-PA) -que, por sua vez, deixará o Senado.

Após o anúncio, Lula afirmou que não escolheu Wagner para nenhum ministério, justamente pois entende que ele será importante na articulação do Senado na próxima Legislatura.

Já Randolfe Rodrigues, o único não petista dentre os três líderes, foi um dos articuladores da campanha de Lula durante as eleições e era o principal nome da Rede, para assumir um ministério no governo.

Rodrigues acabou não contemplado na Esplanada, já que o cargo do partido foi para Marina Silva (Rede-SP), que foi confirmada no Meio Ambiente.

Durante e também depois da campanha, Rodrigues articulou também junto ao STF e esteve presente em encontros entre ministros da corte e Lula.

No anúncio, Lula chamou Randolfe Rodrigues de "revelação" no Senado, em razão de sua atuação durante a campanha que venceu Jair Bolsonaro (PL) no segundo turno das eleições.

"Nada dará certo se a gente não tiver bons líderes na Câmara e no Senado", afirmou Lula.