Lula faz aceno a eleitor idoso por combate à abstenção na urna

*ARQUIVO* SAO PAULO -SP - PODER - 10/03/2021 - O Presidente Lula durante coletiva no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, dois dias depois de o Ministro Edson Facchin anular suas condenaçoes no ambito da Lava Jata e, consequentemente, devolver seus direitos politicos   (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO -SP - PODER - 10/03/2021 - O Presidente Lula durante coletiva no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, dois dias depois de o Ministro Edson Facchin anular suas condenaçoes no ambito da Lava Jata e, consequentemente, devolver seus direitos politicos (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - No esforço para levar os eleitores às urnas e garantir a vitória em primeiro turno, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) faz uma investida nesta quinta-feira (22) junto ao eleitor idoso. Ele se reúne com associações ligadas à terceira idade para debater sobre longevidade e os desafios para o futuro.

Como os maiores de 70 anos não são obrigados a comparecer às urnas, a ideia é fazer acenos concretos e contundentes para convencê-los a sair de casa em 2 de outubro.

Lula deve apresentar, em encontro presencial em São Paulo, propostas específicas para essa faixa etária. A mais importante é o reajuste do salário mínimo pela média do crescimento do PIB, o que garantiria um ganho real para aposentados e pensionistas.

Está na lista também uma política especial para saúde, com a recomposição de cortes para a compra de medicamentos de uso contínuo e uma atenção médica ampliada, com mais especialidades. Há ainda a previsão de espaços de lazer específicos para a terceira idade.

"Não é um voto obrigatório. Precisamos, então, conquistar e dar motivação nesta mobilização por uma forte consciência nacional. Depois, ouvir e assumir compromissos presentes em nosso programa de governo", diz um dos coordenadores da campanha, ex-governador Wellington Dias (PT-PI).

Como a Folha de S.Paulo mostrou, Lula faz ofensivas nessa reta final contra a abstenção que, nas últimas eleições, alcançou em média um terço dos eleitores, e pelo voto útil. A campanha tem tentado conquistar os votos do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e da senadora Simone Tebet (MDB-MS).

Tebet alcança melhores índices de votação nos eleitores de 60 anos ou mais. Segundo o último Datafolha, ela alcança 7% das intenções de voto nessa faixa etária, em comparação aos 5% na média nacional.

Esse também é um eleitor que tem menos resistência a Lula: sua rejeição é de 37%, maior apenas do que entre os jovens de 16 a 24 anos, que fica em 30%.