Lula foi líder sindicalista em derrocada do regime militar e presidente da República em dois mandatos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ex-presidente, líder sindicalista e ex-deputado por São Paulo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concorre, em sua sexta eleição presidencial, contra Jair Bolsonaro (PL) em um contexto de grande polarização.

Desde que iniciou sua carreira política, o petista participou da criação do Partido dos Trabalhadores, moderou posições no decorrer de pleitos presidenciais e, após passar a faixa para Dilma Rousseff (PT), viu crescer a Operação Lava Jato, que o levou à prisão 2018, às portas da votação que elegeu seu rival atual.

Veja os principais momentos da vida e da trajetória política de Lula.

NASCIMENTO E VINDA À SÃO PAULO

Lula nasceu em Garanhuns, cidade do interior de Pernambuco, em 1945. De família pobre, foi a São Paulo com oito anos, primeiro ao litoral, onde morou com o pai, e depois à capital paulista, três anos depois.

INFÂNCIA E TRABALHO

Aos 12 anos, Lula trabalhou como entregador de roupas em São Paulo e auxiliar geral nos Armazéns Gerais Colúmbia. Mais tarde, fez um curso de tornearia mecânica no Senai e exerceu a profissão na Parafusos Marte, empresa na qual perdeu o dedo mínimo em um acidente com o torno mecânico.

SINDICALISMO, DITADURA E DIRETAS JÁ

Lula tinha 18 anos em 1964, quando os militares deram um golpe de Estado, e não se interessava por política à época. Quatro anos depois, filiou-se ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema e passou a se engajar politicamente, ainda que relutante.

Com o aumento de sua participação na organização trabalhista, Lula assumiu a presidência do sindicato e liderou as greves gerais de 1979 e de 1980, sendo preso por 31 dias. O petista também ganhou protagonismo no movimento das Diretas Já, que pedia eleição direta para presidente em 1985.

O PT E A ASSEMBLEIA CONSTITUINTE

Lula participou da criação do PT, partido pelo qual foi eleito deputado constituinte, colaborando com a elaboração da Constituição na Câmara dos Deputados, Casa na qual permaneceu até 1991.

CAMPANHA PRESIDENCIAL DE 1989

Lula concorreu à Presidência pela primeira vez em 1989, o primeiro pleito para o cargo após a ditadura. Foi derrotado por Fernando Collor de Mello, que exerceu o cargo até 1992, quando sofreu impeachment.

LULA E FHC

O petista enfrentou Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que o apoiou em 1989, nas disputas presidenciais de 1994 e 1998. O tucano venceu as duas eleições em primeiro turno, e Lula ficou em segundo lugar.

VITÓRIA EM 2002

Na quarta tentativa de chegar ao Planalto, Lula venceu José Serra (PSDB) com 61% dos votos no segundo turno, após uma série de concessões políticas para agradar setores mais conservadores e o mercado.

REELEIÇÃO EM 2006 E MENSALÃO

O primeiro mandato do petista manteve como premissas o controle da inflação e a estabilidade fiscal, o que gerou bom crescimento econômico. Por outro lado, o mensalão, revelado em 2005, esquema de pagamento de propina para que deputados votassem em projetos de interesse do governo, abalou o governo. Mesmo com o escândalo, Lula foi reeleito em disputa contra Geraldo Alckmin, à época no PSDB.

Outro ponto forte dos mandatos do ex-sindicalista são os programas sociais criados ou alargados durante sua administração, como o Minha Casa Minha Vida e a expansão do Bolsa Família.

LULA E DILMA

Após dois mandatos com crescimento econômico e investimento em pautas sociais, Lula emplacou a candidatura de Dilma Rousseff (PT), ex-ministra da Casa Civil, à Presidência. O petista saiu do Planalto com aprovação de 83%, de acordo com pesquisa Datafolha realizada ao fim de suas administrações.

Anos depois, e com o governo de Dilma em crise, foi nomeado ministro da Casa Civil a fim de negociar com a base aliada, que desembarcava em meio ao processo de impeachment contra a então presidente.

A iniciativa, porém, não vingou, já que trechos divulgados de gravações telefônicas entre Lula e Dilma sugeririam a nomeação como forma de garantir foro privilegiado ao petista, e o ministro do STF Gilmar Mendes suspendeu a designação.

CÂNCER

Lula recebeu, em novembro de 2011, o diagnóstico de câncer na laringe, doença que o submeteu a sessões de radioterapia e quimioterapia. Foi considerado curado em junho de 2012.

OPERAÇÃO LAVA JATO

Após deixar a Presidência, o petista assistiu ao desenvolvimento da operação que revelou o repasse de bilhões de reais em propina a políticos e que o investigou devido a suspeitas envolvendo um tríplex em Guarujá e um sítio em Atibaia. Lula também foi alvo de investigação na Operação Zelotes, que apurava casos de corrupção no Ministério da Fazenda.

MORTE DE MARISA LETÍCIA

Casada com Lula por 43 anos, Marisa Letícia Lula da Silva morreu em 2017, aos 66 anos. Ela foi internada no Hospital Sírio-Libanês após sofrer um AVC (Acidente Vascular Cerebral). O ex-presidente perdeu a esposa em um momento difícil da vida política —era réu em cinco ações na Justiça.

Antes de Marisa Letícia, Lula foi casado com a mineira Maria de Lourdes da Silva, que faleceu devido a hepatite no ovário durante o oitavo mês de gravidez de um filho com o petista.

PRISÃO EM CURITIBA

Após a condenação em segunda instância pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex, Lula foi preso em abril de 2018, quando iniciou o cumprimento da pena de nove anos e seis meses de reclusão. Impedido de concorrer à Presidência, foi substituído pelo ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), que perdeu o pleito contra o então deputado federal Bolsonaro.

MORO PARCIAL

Em junho do ano passado, o STF declarou o ex-juiz Sérgio Moro parcial na condução do processo do tríplex de Guarujá, que levou Lula à prisão por 580 dias. Assim, ele foi autorizado a disputar eleições novamente, já que não constariam mais condenações em sua ficha.

CASAMENTO COM JANJA

Lula se casou em maio deste ano com a socióloga Rosângela Silva, a Janja. Os dois se conheceram um pouco antes da prisão do ex-presidente, e ela o visitava com frequência à sede da Polícia Federal em Curitiba. Janja vem se engajando cada vez mais na campanha do petista.