Lula inicia transição com sequência de nós para desatar antes da posse

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) inicia nesta semana os trabalhos da transição de governo com os desafios de construir uma ampla base no Congresso, garantir espaço no Orçamento para viabilizar programas prometidos na campanha, definir os nomes do novo ministério e estreitar laços com atores internacionais.

Esses objetivos são elencados por aliados do petista —que encerrou folga tirada após a eleição— como algumas das primeiras missões que terá antes de assumir o cargo.

Lula viajou na última terça (1º) à Bahia para descansar e chegou sábado (5) a São Paulo. Ele tem prevista para esta segunda (7) uma reunião com os principais integrantes do grupo que montou para tocar o processo de transição entre governos.

A expectativa é a de que Lula e seu vice, Geraldo Alckmin (PSB), desembarquem na capital a partir de terça-feira (7). Os detalhes da agenda serão definidos nesta segunda.

A ideia é que o petista faça visitas aos presidentes do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes, e do STF (Supremo Tribunal Federal), Rosa Weber. Também deve se encontrar com Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, e Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara.

Embora tenha designado Alckmin como o coordenador da equipe, com o auxílio da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e do ex-ministro Aloizio Mercadante, o petista dará a palavra final em algumas etapas do processo.

No encontro desta segunda, Lula ouvirá a proposta elaborada por seus aliados para garantir a manutenção do pagamento de R$ 600 de Auxílio Brasil, que voltará a ser Bolsa Família, o aumento do salário mínimo, entre outros planos. Caberá a ele avalizar a solução.

Da mesma forma, vai chancelar os nomes que serão indicados para compor sua equipe de transição. A expectativa é que nesta segunda alguns nomes já sejam oficializados. Mas, segundo Gleisi, algumas nomeações ocorrerão ao longo da semana.

A dirigente já recebeu uma lista com indicações prévias dos 10 partidos que se aliaram a Lula durante a campanha, e outras virão nos próximos dias.

O CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), que será a sede do governo de transição, passou por algumas modificações no final de semana e já passará a receber integrantes do grupo.

Responsável pela segurança do presidente eleito, o delegado da Polícia Federal Andrei Passos esteve no CCBB na tarde desta segunda-feira (7). Ele disse à imprensa que havia conversado com o secretário de Segurança do Distrito Federal, Júlio Ferreira, e que monitora os protestos de bolsonaristas contrários ao resultado da eleição.

"Tivemos reunião hoje à tarde. A gente segue monitorando, trabalho de inteligência, acompanhando toda a movimentação e moldando a operação de acordo com o cenário", disse Passos.

"Ação é preventiva sempre, de precaução que a gente faz sempre que o presidente estiver aqui", afirmou ainda o delegado.

O presidente eleito seguirá, em um primeiro momento, com a mesma equipe de segurança que contou durante a campanha presidencial, que teve membros do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) a que ele tem direito como ex-presidente e policiais federais. O petista ainda não terá direito a uso de aviões da FAB (Força Aérea Brasileira).

Integrantes da Polícia Federal que fazem a proteção de Lula vão adequar o tamanho do time e devem ampliar o número de agentes e equipamentos conforme a necessidade. No CCBB, por exemplo, a segurança terá direito a duas salas e há um planejamento específico para onde Lula estiver.

Alckmin, eleito vice-presidente, também não poderá usar aviões da força.

Ao longo da última semana, partidos, dentre os quais PSB, PSOL, Rede, PV, PC do B, Solidariedade, Avante, Agir e Pros, indicaram alguns nomes para compor oficialmente a transição.

Já foram enviados os nomes do presidente do PSOL, Juliano Medeiros, da presidente do PC do B, Luciana Santos, do deputado Wolney Queiroz (PDT), do porta-voz da Rede, Wesley Diógenes.

Alckmin também já designou o ex-deputado Floriano Pesaro, que tende a ser uma espécie de braço direito do vice-presidente eleito.

Ainda nesta segunda, a ideia é construir o desenho do que será a transição, definindo as comissões temáticas. Alckmin indicou a aliados querer que haja grupos maiores, subdivididos em menores.

A partir da definição do desenho, os partidos indicarão outros nomes. O PSOL, por exemplo, quer que o deputado eleito Guilherme Boulos (SP) participe das discussões.

Enquanto isso, Lula pediu, por exemplo, que Fernando Haddad (PT) sondasse o ex-ministro da Educação José Henrique Paim para que montasse um grupo para atuar na transição. Já a presidente do Todos Pela Educação, Priscila Cruz, foi convidada por Alckmin a auxiliar a transição na área.

O vice já sondou os economistas André Lara Resende e Pérsio Arida, considerados pais do Plano Real, para atuar na equipe.

O economista Guilherme Mello, professor da Unicamp e um dos que participaram da elaboração do plano de governo de Lula como coordenador de um núcleo da Fundação Perseu Abramo, também foi acionado.

Segundo relatos, o vice-presidente conversou ainda com a senadora Simone Tebet (MDB), que terminou em terceiro lugar na corrida presidencial, para auxiliar no processo. Aliados de Tebet dizem que ele pediu a ela que ajude também na relação com o Senado.

Após a eleição, uma das primeiras medidas de Lula foi orientar os aliados a ampliar ainda mais a frente de partidos que o circundam com a intenção de formar uma base no Congresso.

Foram procurados PSD, União Brasil e MDB. Este último terá alguma representação no ministério de Lula com a figura de Tebet, que atuou ativamente na campanha de Lula no segundo turno.

Aliados dizem acreditar que os partidos tendem a compor a base de Lula, mesmo com defecções internas.

Gleisi, que conduz as negociações políticas, deverá ter conversas esta semana com Baleia Rossi, presidente do MDB, Gilberto Kassab, presidente do PSD, e Luciano Bivar, da União Brasil.

O presidente do MDB disse à reportagem que não está preocupado com cargos. "Não queremos uma relação fisiológica pois isso já prejudicou o MDB no passado. Queremos compromisso com uma agenda de crescimento do país. Com pautas convergentes como a reforma tributária e outras mais", disse Baleia.

Pelas promessas de Lula, o número de ministérios será expandido de 22 para ao menos 32 pastas. O PT pretende usá-las para acomodações políticas.

O ex-presidente tem sido cobrado a apresentar os nomes, sobretudo os que comandarão os ministérios econômicos, mas não deu indícios de que fará isso antes de dezembro.

Aliados de Lula traçaram um cenário em que a base de apoio no Senado começaria com 51 das 81 cadeiras e, na Câmara, com 312 das 513.

Integrantes do MDB defendem a formação de um bloco com União Brasil, que teria 20 senadores e 101 deputados, para pensar a sucessão da Câmara e do Senado, além da aprovação de pautas prioritárias.

Lula pode, entretanto, compor uma aliança com o centrão de Arthur Lira (PP-AL), hoje com Bolsonaro.

Em paralelo, Lula pretende aproveitar sua presença na reunião global sobre o clima, a COP27, que ocorrerá no Egito a partir deste fim de semana, para reforçar a imagem de um líder empenhado no enfrentamento às mudanças climáticas. O presidente eleito deve viajar dia 14 de novembro e a previsão é que busque se encontrar com chefes de Estado que lá estarão.