Lula lamenta morte de Isabel, lenda do vôlei que estava na transição de governo

Isabel foi uma das esportistas brasileiras que conduziu a tocha olímpica durante o revezamento antes das Olimpíadas do Rio (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)
Isabel foi uma das esportistas brasileiras que conduziu a tocha olímpica durante o revezamento antes das Olimpíadas do Rio (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)
  • Lula lamenta morte de Isabel Salgado;

  • Ex-jogadora de vôlei faleceu nesta quarta-feira (16), aos 62 anos de idade;

  • Gleisi Hoffmann também demonstrou solidariedade aos familiares e fãs da atleta.

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), lamentou a morte da ex-jogadora de vôlei Isabel Salgado. Famosa por grandes momentos nas quadras e nas areias, a atleta faleceu nesta quarta-feira (16), aos 62 anos de idade, em São Paulo.

“Isabel Salgado não foi apenas um símbolo para o esporte, mas também de luta na defesa de seus ideais. Seu pioneirismo no esporte abriu as portas para muitas brasileiras. Suas conquistas levaram o Brasil a outro patamar na história do vôlei feminino”, escreveu o petista no Twitter.

A ex-ponteira havia sido convidada a integrar a equipe de transição de governo de Lula, junto com a ex-jogadora de vôlei Ana Mozer e o ex-jogador de futebol Raí. Segundo o presidente eleito, a escolha para o grupo técnico de esporte levou em conta a “competência como atleta” de Isabel “e a voz ativa por um país mais justo”.

Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, também demonstrou sua solidariedade à família e fãs da ex-jogadora. “Muita tristeza perdermos hoje a Isabel do Vôlei. Mulher de talento, coragem e posições firmes. Contribuiu diretamente para a vitória da democracia”, pontuou, em referência ao resultado das eleições deste ano.

Isabel estava internada no Hospital Sírio-Libanês, na região central da capital paulista. Ela sofria da Síndrome Aguda Respiratória do Adulto (SARA), uma condição clínica rara. A causa da morte, no entanto, não foi confirmada.

Além da fama no vôlei, Isabel era conhecida por se posicionar sobre temas fora do esporte e defesa de seus ideais.

Uma das cenas mais icônicas da carreira aconteceu em1982, em um torneio amistoso disputado no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

Na partida contra o Japão, mais de 20 mil torcedores hostilizava as nipônicas, que dominavam o jogo. Foi quando a então jovem de 22 anos pediu o microfone oficial do evento e fez um discurso firme, afirmando que se a torcida não parasse de xingar as asiáticas, o jogo acabaria.

Mãe de Maria Clara Salgado, Pedro Solberg e Carol Solberg, todos atletas conhecidos no vôlei de praia, Isabel deixa cinco filhos e cinco netos.