Lula lança candidatura presidencial para 'reconstruir' o Brasil

El exmandatario de izquierda Luiz Inácio Lula da Silva lanzó este sábado su candidatura a la Presidencia de Brasil (AFP/NELSON ALMEIDA) (NELSON ALMEIDA)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou neste sábado(7) que tentará voltar ao poder nas eleições de outubro, para impedir um segundo mandato da extrema-direita de Jair Bolsonaro e "reconstruir" o país.

"Todos dispostos a trabalhar não apenas pela vitória de 2 de outubro, mas pela reconstrução e transformação do Brasil, que será mais difícil do que ganhar a eleição", disse Lula, durante ato em São Paulo que reuniu cerca de 4.000 membros e apoiadores do Partido dos Trabalhadores (PT) e de outros partidos de esquerda.

O ícone de esquerda volta a se candidatar doze anos após deixar o poder com uma aprovação histórica de 87%.

"Queremos unir os democratas de todas as origens e matizes, das mais variadas trajetórias políticas, de todas as classes sociais e de todos os credos religiosos. Para enfrentar e vencer a ameaça totalitária, o ódio, a violência, a discriminação, a exclusão que pesam sobre o nosso país. Queremos construir um movimento cada vez mais amplo de todos os partidos, organizações e pessoas de boa vontade que desejam a volta da paz e da concórdia ao nosso país", declarou o petista.

O discurso foi em um palco decorado com uma bandeira gigante do Brasil, símbolo frequentemente associado ao bolsonarismo e militantes de direita.

Vestindo camisa branca e terno azul, Lula afirmou que precisa novamente mudar o Brasil. E que em vez de promessas, apresenta o legado dos governos anteriores do PT.

“No nosso governo, promovemos uma revolução pacífica neste país. O Brasil cresceu, e cresceu para todos. Combinamos crescimento econômico com inclusão social. O Brasil se tornou a sexta maior economia do planeta, e, ao mesmo tempo, referência mundial no combate à extrema pobreza e à fome. Deixamos de ser o eterno país do futuro, para construirmos nosso futuro no dia a dia, em tempo real”, detalhou Lula em seu site oficial.

A campanha começa oficialmente em agosto. Faltando cinco meses para as eleições, pesquisas apontam que Lula venceria Bolsonaro no segundo turno.

" Ele é um fenômeno, é história. Ele tem que ser presidente pra melhorar tudo, para acabar com o preconceito, com o fascismo, com a violência, melhorar a saúde e a educação… ele é a única pessoa que hoje pode conseguir derrubar o atual presidente", disse à AFP Edilane Machado, de 46 anos, que assistia ao discurso.

- Juntos pelo Brasil -

Em discurso lido, o ex-presidente prometeu retomar a luta contra a fome, o desemprego e defender o meio ambiente, os povos indígenas e outras minorias.

"Achei interessante, achei a salvação. Ele tem que ser nosso presidente, Lula volta logo. Você é nossa esperança. Pelo coração que ele tem, ele deve demarcar nossas terras. Acredito nele, que ele vai tirar nosso povo da miséria e vai salvar nosso planeta", afirmou Amikua Faustino, da comunidade Pataxó.

Sua candidatura foi lançada sob o lema "Vamos juntos pelo Brasil", uma aliança do PT com outros partidos de esquerda com os quais Lula vem formando alianças nos últimos meses.

Seu ex-adversário político e atual companheiro de chapa para a vice-presidência, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, participou por videoconferência após testar positivo para a covid-19.

O político moderado é pouco carismático, mas bem visto pela classe empresarial. Alckmin afirmou que o Brasil sobrevive hoje ao governo mais desastroso e cruel de sua história .

"Quando Lula me estendeu a mão, eu vi nesse gesto muito mais do que um sinal de reconciliação entre dois adversários históricos. Vi um verdadeiro chamado à razão", afirmou o político.

- "Antipetismo" e erros de campanha -

Mas o maior obstáculo à fórmula Lula-Alckmin continua sendo o "antipetismo", pois para muitos brasileiros Lula e o PT ainda encarnam a corrupção, apesar de ele se declarar vítima de uma conspiração política para impedi-lo de concorrer em 2018.

Desde que suas sentenças foram anuladas, Lula voltou gradualmente ao centro da arena política brasileira e internacional, como quando o presidente francês Emmanuel Macron o recebeu no Eliseu no final de 2021.

Naquela época, as pesquisas previam uma vitória confortável para o ex-líder sindical: a popularidade de Bolsonaro havia caído ao seu nível mais baixo devido a críticas por seu enfrentamento da pandemia, à inflação disparada e ao crescimento da pobreza.

Mas nos últimos meses, Bolsonaro se recuperou nas pesquisas. Enquanto isso, Lula multiplicou seus erros, com declarações desajeitadas sobre o aborto, as classes médias - cujo apoio é essencial - e a polícia.

Em entrevista à revista americana Time, ele disse que o presidente ucraniano Volodimir Zelensky é "tão responsável quanto Putin" pela guerra.

Esses passos em falso obrigaram a equipe do ex-presidente a redefinir sua estratégia de comunicação, que por enquanto não conseguiu aplacar a superioridade do bolsonarismo nas redes sociais.

Lula recuperou seus direitos políticos em 2021, após o Supremo Tribunal Federal (STF) anular suas condenações por corrupção no âmbito da investigação "Lava Jato", considerando que não foi julgado de forma imparcial pelo ex-juiz Sergio Moro. Por uma dessas condenações, Lula passou um ano e meio na prisão.

mls-mel/yow/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos