Lula negocia desistência de Bivar em troca de vaga na eleição em PE

RECIFE, PE, E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) articula a saída de Luciano Bivar (União Brasil) da disputa pelo Palácio do Planalto numa negociação que envolve a disputa à reeleição do deputado em Pernambuco.

Segundo Bivar relatou a aliados, Lula sinalizou que poderia apoiá-lo na disputa pelo comando da Câmara dos Deputados em 2023, caso vença a eleição, em troca do apoio da União Brasil no primeiro turno.

Para Bivar, importa o apoio de Lula não apenas numa eventual busca pela presidência da Câmara no ano que vem, mas também para que ele seja reeleito deputado.

Aliados do presidente da União Brasil dizem que sem uma articulação na qual o PT e o PSB construam o apoio de prefeitos do estado a Bivar, seria difícil o parlamentar conquistar nova vaga na Câmara.

O parlamentar ficou empolgado com a ideia e conversou com correligionários a respeito. Uma decisão é esperada até sábado (30).

A hipótese de a União Brasil apoiar Lula no primeiro turno, porém, é considerada remota por integrantes da cúpula do partido. Isso porque há dirigentes da legenda, como Ronaldo Caiado, pré-candidato à reeleição em Goiás, que seriam prejudicados com o apoio a Lula.

Além disso, há ainda nomes como o de Mauro Mendes, pré-candidato ao Governo de Mato Grosso, que já declararam apoio a Jair Bolsonaro (PL).

O partido de Bivar detém a maior fatia de fundo eleitoral e o maior tempo de propaganda de rádio e televisão.

Para aliados de Lula, conseguir mais espaço na TV traria um impacto importante para a campanha petista e aumentaria as chances de uma definição ainda no primeiro turno.

Ainda assim, mesmo que não consiga o apoio formal da União Brasil, a saída de mais um pré-candidato da disputa pelo Planalto e aproximação com o PT teria relevância do ponto de vista da governabilidade de uma eventual gestão Lula.

Caso seja eleito, Lula tem como objetivo ter um aliado na presidência da Câmara em 2023. O cargo é determinante na definição de pautas de votação.

O atual presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), é aliado de Bolsonaro. Lira exerce forte influência no governo, sobretudo com o controle de parte das emendas de relator, hoje o principal instrumento de negociação entre o Planalto e o Parlamento.

O foco de Lula é tentar atrair a União Brasil para a base do governo. Há uma expectativa de dirigentes partidários de que a legenda consiga eleger mais de 50 deputados.

Em Pernambuco, a União tem como pré-candidato a governador o ex-prefeito de Petrolina Miguel Coelho, filho do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), ex-líder do governo Bolsonaro.

O movimento de Bivar pegou de surpresa uma ala da União Brasil em Pernambuco, que já estava com a lista de candidatos a deputado federal e estadual praticamente resolvida. Com a possibilidade de candidatura de Bivar à reeleição, o cenário muda.

Aliados de Bivar dizem que ele chegou a tentar articular uma disputa ao Senado com o apoio de Lula, mas a equação seria difícil de ser solucionada. Para se candidatar a senador, Bivar teria de convencer Miguel Coelho a desistir da disputa pelo governo, o que, segundo aliados, está fora de cogitação.

Bivar terá uma reunião tida como decisiva nesta sexta-feira (29) no Recife. Deverão participar Miguel Coelho, Fernando Bezerra e outros dirigentes da sigla no estado.

Nos bastidores, dirigentes do partido apostam que a sigla conseguirá eleger dois deputados federais em Pernambuco. Os mais cotados são o ex-ministro da Educação Mendonça Filho e o deputado federal Fernando Coelho Filho.

Nos bastidores, Bivar tem sinalizado que gostaria que Fernando Filho ou Mendonça desistissem da disputa para facilitar a sua reeleição.

A saída proposta por Bivar seria que Mendonça fosse para a disputa ao Senado na chapa de Miguel, mas o ex-ministro não quer apostar na incerteza diante de uma vitória dada como certa para federal.

Fernando Filho, por sua vez, não quer abdicar do mandato na Câmara.

Prefeitos aliados de Luciano Bivar foram avisados por interlocutores nos últimos dias e já estão preparados para um apoio à candidatura dele à reeleição de deputado, caso se concretize a mudança de planos do parlamentar.

Bivar também tenta viabilizar o apoio de prefeitos aliados ao PSB, partido que é o principal aliado nacional de Lula, junto a dirigentes do partido no estado. O presidente da União Brasil tem boa relação com o governador Paulo Câmara (PSB) e com o prefeito do Recife, João Campos (PSB).

Em Pernambuco, a União Brasil tem três grupos, liderados por Bivar, Miguel Coelho e Mendonça Filho, respectivamente. Desde o fim de semana, a sinalização de uma possível volta de Bivar para ser candidato a federal provocou um rebuliço nas diferentes alas, que passaram a refazer cálculos nas chapas proporcionais.

A convenção do partido em Pernambuco será no próximo domingo (31). Mesmo com a possibilidade de desistência, a convenção de Bivar para a disputa presidencial segue marcada para o dia 5.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos