Lula pede união entre Brasil e México em prol da América Latina

O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva pediu esta sexta-feira que Brasil e México trabalhem mais unidos para dar maior peso à América Latina nas instituições internacionais.

"Em organismos como o FMI (Fundo Monetário Internacional) é preciso refletir o mundo de hoje, juntos (na América Latina) seremos mais respeitados e muito mais fortes", afirmou.

O ex-presidente brasileiro discursou no fórum México Século XXI, organizado pela Fundação Telmex, do magnata mexicano das telecomunicações Carlos Slim.

Lula lamentou que as duas maiores economias da América Latina não estejam suficientemente representadas em organismos internacionais como as Nações Unidas e o FMI.

O ex-presidente destacou que os dois países estão mais unidos do que parece e que não há razão "para continuar separados e menos ainda para que haja uma rivalidade". "Se temos que ser adversários em alguma coisa, que seja no futebol", brincou.

A relação entre Brasil e México deve ir além dos investimentos e acordos econômicos, considerou Lula diante de 10.000 pessoas, em sua primeira viagem internacional depois que teve descoberto um câncer na laringe.

"A aliança latino-americana deve ir além do comércio e dos investidores, tem que ser uma aliança que integre e traga benefícios para nossos povos. Uma construção conjunta dos nossos jovens de um novo futuro", informou.

O ex-presidente disse que existem fatores que favorecem a relação das duas nações, como a proximidade e o idioma similar para ampliar a aliança.

Lula afirmou que há uma nova América Latina, uma região que levantou a cabeça e recuperou sua soberania e autoestima, e aprendeu a acreditar, ser prospera e justa.

"Estamos provando que se pode crescer de maneira sustentável com inflação baixa. Em vários países vemos uma redução considerável da pobreza".

O ex-presidente alertou que para seguir crescendo e melhorando seu desenvolvimento, a região precisa adotar políticas públicas específicas.

"Não basta crescer, é preciso distribuir os frutos do crescimento, e isto exige políticas públicas específicas; não há contradição nenhuma entre crescer e distribuir".

Lula defendeu mais investimentos na educação porque através do ensino é que se resolvem muitos problemas, como a pobreza e o crime organizado.

"A educação não pode florescer como algo à margem. O dinheiro dedicado à educação deve ser considerado como investimento".

O ex-presidente qualificou a participação no evento na Cidade do México como sua volta à vida política da América Latina e do Brasil, após se livrar do câncer de laringe.

Carregando...

Siga o Yahoo Notícias