Lula pode ser candidato à reeleição em 2026

Lula tomou posse no último domingo, 1º de janeiro (REUTERS/Adriano Machado)
Lula tomou posse no último domingo, 1º de janeiro

(REUTERS/Adriano Machado)

  • Ministro da Casa Civil afirma que Lula pode disputar a reeleição em 2026;

  • Petista já havia descartado a hipótese durante a campanha eleitoral;

  • Jilmar Tatto, secretário de Comunicação do PT, também parte da mesma crença sobre o próximo pleito.

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou nesta segunda-feira (2) que o presidente Lula (PT) pode concorrer à reeleição em 2026. A declaração contraria promessas do petista, que descartou a possibilidade durante a campanha eleitoral.

Rui Costa participava de entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, quando levantou a hipótese – feita ao final do segundo dia de mandato de Lula.

"Lula falou [que não concorrerá] de coração considerando a sua trajetória e a volta dele para consolidar a democracia. Mas, se tudo der certo, e com fé em Deus dará, faremos um governo exitoso. E se ele continuar, como ele próprio diz, com energia e o tesão de 20 anos, quem sabe ele pode fazer um novo mandato presidencial", afirmou.

Quem também acredita nesse cenário para o próximo pleito é Jilmar Tatto, secretário de Comunicação do PT. "Vai ser", disse. "Conhecendo o Lula, ele não vai abrir mão da sua reeleição. Eu acho isso”.

Sucessores

Rui Costa também foi questionado com a lista de ministros com potencial de suceder Lula na Presidência em 2026. Entre os nomes mais cotados para a disputa, estão o dele mesmo, Fernando Haddad (Fazenda), Simone Tebet (Planejamento) e Geraldo Alckmin (Indústria e Comércio).

O ministro, no entanto, negou que enxergue esse cenário. "Vocês estão partindo de um fato consumado de que Lula não irá disputar a reeleição. Eu não parto desse fato consumado".

A declaração de Lula sobre não concorrer a um novo mandato foi feita pouco antes do segundo turno das eleições, realizado em 30 de outubro do ano passado. Na época, disse que "seria um presidente de um mandato só".