Lula recebe o presidente da Argentina nesta segunda-feira (31)

Após vitória de Lula, Alberto Fernández vem ao Brasil (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
Após vitória de Lula, Alberto Fernández vem ao Brasil (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)

O presidente argentino, Alberto Fernández, chega a São Paulo ainda nesta segunda-feira (31) para encontrar Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato eleito presidente da República neste domingo (30).

A reunião será a primeira agenda internacional do petista após a vitória dele contra o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Fernández felicitou Lula logo após o resultado das urnas, ontem. "Pelas redes sociais,o mandatário afirmou que a eleição do candidato para um terceiro mandato presidencial “abre um novo tempo para a história da América Latina”. “Um tempo de esperança e de futuro”, declarou.

“Aqui terá um companheiro para trabalhar e sonhar grande pelo bem viver de nossos povos”, disse. “Depois de tantas injustiças, o povo brasileiro te elegeu e a democracia triunfou (tradução livre)”, completa.

Importante parceiro comercial brasileiro, o governo argentino havia se distanciado do Brasil sob Bolsonaro. O peronismo mantém proximidade com o petista eleito, mas há tensão com o presidente derrotado. O atual chefe do Executivo aproveitou diversas oportunidades para criticar Fernández.

O encontro com Lula foi noticiado pela agência de notícias Télam. A reunião deve ocorrer no Hotel Intercontinental, nos Jardins. Os dois devem almoçar juntos em um dos locais utilizados pela campanha eleitoral.

A comitiva de Fernández conta com o Ministro das Relações Exteriores, Santiago Cafiero; o Secretário-Geral da Presidência, Julio Vitobello; a Secretária Jurídica e Técnica, Vilma Ibarra; a porta-voz da Presidência, Gabriela Cerruti; e os deputados do partido Frente de Todos Eduardo Valdés e Carlos Heller, indica a agência.

Em entrevista para uma rádio local, Fernández demonstrou otimismo com a eleição de Lula, apontando que a relação entre os países deve ser retomada.

Na votação realizada neste domingo (30), o petista derrotou Bolsonaro por 50,% a 49,1%.