Lula quer obrigar redução de taxas de juros e fim de "penduricalhos" em dívidas da população

Ex-presidente Lula durante comício em Manaus

BRASÍLIA (Reuters) - O ex-presidente e candidato ao Palácio do Planalto Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, nesta sexta-feira, que seu programa de renegociação direcionado à parcela endividada da população incluirá redução obrigatória de taxas de juros e a exclusão de acessórios das dívidas.

Em comício em São Luís, no Maranhão, Lula afirmou que 70% da população brasileira está endividada, e que as mulheres constituem boa parte dessa parcela. Segundo ele, as dívidas não foram contraídas para viagens ao exterior ou luxos, mas para a compra de comida, vestuário e materiais escolares.

"Nós vamos mudar essa situação. Nós vamos negociar essa dívida. Vamos obrigar os credores a baixar as taxas de juros, a tirar todo o penduricalho, para que a gente possa tirar as famílias brasileiras do Serasa, e não ficar com o nome sujo nesse país, sem poder comprar mais nada", disse o petista.

"Eu sei que pobre é bom pagador", afirmou o ex-presidente. "O pobre, ele tem vergonha de passar na frente da padaria quando ele está devendo o pão do dia anterior. Então, nós vamos cuidar disso com carinho."

Na entrevista que deu ao Jornal Nacional, na última semana, Lula já havia adiantado sua intenção de lançar um programa de refinanciamento das dívidas das famílias brasileiras, sem muitos detalhes.

Na quarta-feira, voltou a tocar no assunto, prometendo interlocução com prefeituras e emrpesas, já que parte das dívidas está relacionada a contas de água e luz.

O ex-presidente também já manifestou a intenção de envolver bancos públicos e privados no programa.

Lula disse ainda que pretende intensificar o financiamento educacional por meio do Fies, além de fortalecer o ProUni e também o BNDES, voltado ao pequeno e ao médio empreendedor.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)