Lula se reúne com Tarcísio de Freitas no Palácio do Planalto

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), em uma agenda fechada no Palácio do Planalto. O encontro é simbólico, já que o Tarcísio foi ministro durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro e se elegeu neste ano apoiado por ele.

STF: três ministros votam para manter Ibaneis Rocha afastado do cargo de governador

Sonar: Confiança de Allan dos Santos e tática para viralizar: infiltrada em grupo bolsonarista revela modus operandi do 'gabinete do ódio'

Esta, contudo, não é a primeira vez que os dois se encontram. Tarcísio estava entre os governadores que participaram da reunião com o presidente Lula na segunda-feira, dia seguinte aos ataques terroristas às sedes do Supremo Tribunal Federal, Congresso Nacional e Palácio do Planalto. Na ocasião, o aliado do ex-presidente defendeu a democracia e o diálogo para evitar que novas ações deste tipo ocorram.

— Era muito importante estar presente (na reunião com Lula) no dia de hoje neste ato de solidariedade aos poderes constituídos, ato de solidariedade ao Supremo Tribunal Federal, solidariedade ao Congresso Nacional, a Câmara de Deputados, ao Senado Federal, solidariedade no final das contas à nossa democracia — afirmou o governador de São Paulo: — Essa reunião de hoje significa que a democracia brasileira, depois dos episódios de ontem vai se tornar ainda mais forte.

O governador, no entanto, decidiu de última hora viajar a Brasília para participar da agenda, após receber uma ligação da presidente do STF, ministra Rosa Weber, que pregou a necessidade de haver um diálogo entre os entes federativos e as instituições.

Ao decretar intervenção federal da segurança pública do DF para conter os terroristas, Lula culpou Bolsonaro por estimular os atos realizados em Brasília:

— Esse genocida não só provocou isso, estimulou isso como, quem sabe, ainda está estimulando isso das redes sociais. Tem vários discursos do ex-presidente estimulando isso, estimulou a invasão nos três poderes sempre que ele pode.

Na reunião com os governadores, o presidente afirmou que não teria golpe no país:

— Eles querem é golpe e golpe não vai ter. Eles têm que aprender que a democracia é a coisa mais complicada para a gente fazer, porque exige gente suportar os outros, exige conviver com quem a gente não gosta, com quem a gente não se dá bem, mas é o único regime que permite que todos têm a chance de disputar e quem ganhar tem o direito de governar — disse Lula sobre os ataques de domingo

Ao final do encontro, o grupo de governadores, incluindo Tarcísio, desceu a rampa do Palácio do Planalto e foi a pé, pela Praça dos Três Poderes, até a sede do Supremo Tribunal Federal (STF).