Lula terá encontro separado com Cristina Kirchner em Buenos Aires

Por Lisandra Paraguassu

BUENOS AIRES (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá um encontro separado com a vice-presidente do país, Cristina Kirchner, na segunda-feira, durante sua viagem à Argentina, de acordo com duas fontes ouvidas pela Reuters.

Afastada do presidente Alberto Fernandez, Cristina não deve participar da reunião de Lula na Casa Rosada, sede do governo argentino.

A vice-presidente comemorou a vitória eleitoral do petista em outubro em suas redes sociais e, logo depois, telefonou ao presidente brasileiro, quando teriam acertado um encontro para assim que possível.

Kirchner foi presidente da Argentina de 2007 a 2015 e sempre teve um bom relacionamento com o presidente brasileiro. Durante a prisão de Lula em Curitiba, Kirchner foi um dos políticos da região a defender a liberdade do brasileiro.

Agora, a vice-presidente Argentina enfrenta também processos judiciais em seu país. Em dezembro, foi condenada em primeira instância a seis anos de prisão por corrupção, acusada de beneficiar um empresário de Santa Cruz --província de origem dos Kirchner-- quando estava na presidência e também durante o mandato de seu marido, Nestor Kirchner, já falecido.

Em suas redes sociais, no dia da sentença, Lula se solidarizou com Cristina, e falou em “caçada judicial”.

“Expresso minha solidariedade à presidenta Cristina Kirchner e a seus colaboradores que tanto fizeram pelo povo argentino e pela integração sul-americana. É preocupante a verdadeira caçada judicial e midiática lançada contra essa companheira a quem tanto admiro e estimo”, escreveu.

O presidente chega a Buenos Aires no início da noite de domingo para uma visita oficial ao país, onde participará ainda da cúpula da Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac).