Lula terá relação delicada com movimentos sociais no novo governo

***ARQUIVO***São Bernardo do Campo , SP - 30.10.2022. O  ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à presidência vota na Escola João Firmino, em São Bernardo do Campo. (Foto Marlene Bergamo / Folhapress)
***ARQUIVO***São Bernardo do Campo , SP - 30.10.2022. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à presidência vota na Escola João Firmino, em São Bernardo do Campo. (Foto Marlene Bergamo / Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O impulso de movimentos sociais à eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aponta agora para uma relação delicada do novo presidente com o segmento, que calibra a atuação para encarar a contradição de ter que comprar brigas com um governo que chegará ao poder com seu apoio.

Líderes de algumas das principais organizações sustentam o discurso de que eventuais cobranças podem coexistir com a defesa da gestão, mas a primeira passagem do petista pelo Planalto (2003-2010) mostrou o risco de fissuras. Na vitória de agora, Lula sempre exaltou os grupos e prometeu espaço a eles.

MST (dos sem-terra), MTST (dos sem-teto), CUT (Central Única dos Trabalhadores) e UNE (União Nacional dos Estudantes) são alguns dos movimentos que reivindicam voz na transição de governo e esperam o atendimento de suas demandas, ao mesmo tempo em que falam em manter mobilizações.

O discurso comum é o de que, mesmo com as dificuldades econômicas e políticas que Lula enfrentará, a chance de obter avanços nas pautas é maior com o PT do que com o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Também é consenso que a capacidade de articulação do bolsonarismo exige um estado permanente de alerta. A expectativa é que o campo rival agite manifestações para desestabilizar o governo e pôr em risco a democracia, como vem fazendo com os atos antidemocráticos contestando o resultado do pleito.

"Nossa mobilização não é feita só como oposição", diz Simone Nascimento, do Movimento Negro Unificado, um dos apoiadores de Lula. Segundo ela, que foi eleita deputada estadual pelo PSOL em um mandato coletivo, a meta é estabelecer "discussão permanente" com o Planalto.

"A mobilização no nosso campo também é vital quando se considera possível arrancar vitórias. Não podemos ser adesistas, mas precisamos nos organizar coletivamente para enfrentarmos as dificuldades do próximo período."

O risco de cooptação pela máquina pública é minimizado por líderes desse espectro, sob o argumento de que não interessaria ao futuro governo esvaziar o papel das bases. O raciocínio é o de que o Planalto precisará desse suporte para arregimentar apoio na população e no Congresso, em um cenário adverso.

Para Josué Rocha, da coordenação do MTST, a "razão de ser dos movimentos é a participação" na vida pública, o significa que eles "têm que ter a sua atuação autônoma na sociedade, algo saudável para a democracia e que estava ameaçado pelo governo Bolsonaro e sua eventual reeleição".

Ligado a Guilherme Boulos (PSOL-SP), deputado federal eleito e aliado de Lula, o MTST pressiona por políticas na área de habitação, que o petista sinalizou ser uma de suas prioridades, com a volta do Minha Casa, Minha Vida.

No caso do MST, também coincidem os pedidos e o discurso do novo mandatário —com agricultura familiar, política ambiental e reforma agrária—, mas o coordenador João Paulo Rodrigues diz que movimento e governo serão esferas apartadas, ainda que algum membro ganhe cargo, como se especula.

"Nós vamos apoiar o governo, ajudar a governar se for possível, mas temos uma base que tem que ser contemplada, com crédito, terra e política pública. Vamos ter que ter uma combinação permanente de 'pau e prosa'", resume.

De acordo com Rodrigues, organizações como o MST vão exercer pressão, "para que o governo não seja pressionado só pelo tal mercado", mas sem esquecer que do outro lado do balcão estará o que ele chama de "um governo nosso, do qual somos base, e não um governo inimigo".

Se já é delicado conseguir essa sintonia em circunstâncias favoráveis, menos fácil ainda será fazer isso sob uma série de restrições salientadas pelo dirigente, que vão do arrocho orçamentário até as composições com a frente ampla montada na campanha e a influência do bolsonarismo.

"Nem o Lula nem o MST querem acordos mútuos que inviabilizem a luta e a pressão política. Podemos estar dentro do governo, ajudando o presidente Lula no que ele precisar, e continuar nossas atividades, sem cair na lógica da oposição. Vamos ter que defender o governo que nós elegemos."

O tom é mais comedido do que o apresentado pelos sem-terra no primeiro mandato de Lula, quando o movimento optou por fazer cobranças e queixas públicas logo nos primeiros meses. Agora, a ordem geral é instituir uma espécie de prazo de carência e evitar na largada desgastes de relação.

"Para nós, que estamos com Lula durante todo o último ciclo, desde a prisão, é justificável dar esse respiro num primeiro momento, já que o governo se compromete com as nossas pautas, mas tem obstáculos por causa da economia", diz Raimundo Bonfim, da CMP (Central de Movimentos Populares).

O ativista afirma que as entidades sociais não ficarão inertes porque entendem que "será um governo em disputa", com cabo de guerra "entre povo e burguesia". Ele avisa que algum tipo de rebelião só ocorrerá "se o governo priorizar outras demandas que não sejam a do movimento popular".

"O Lula fala que é importante o engajamento da sociedade. Nossa mobilização não será contra o governo, mas para que ele atenda às reivindicações", afirma.

Segundo Bonfim, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, informou que o gabinete de transição chamará nos próximos dias os movimentos sociais. Além das ações governamentais a partir de 2023, será discutida a participação na posse. Caravanas para Brasília estão em preparação.

Na opinião de João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, a experiência mostra que "negociações avançam nos governos que dialogam" —e isso é o que se espera do terceiro mandato de Lula. "Mesmo com a abertura, cabe a nós manter a autonomia do questionamento", pontua.

Na mesma linha, a presidente da UNE, Bruna Brelaz, prega que os movimentos não se deixem arrefecer diante da nova realidade nem recuem em suas bandeiras ou relevem eventuais divergências. Ir às ruas para manifestações não é uma ideia desconsiderada, segundo ela.

"O que fortalece a democracia é possuir o movimento social constantemente atento e energizado. Precisamos estar organizados porque o outro lado também está", diz.

Para o sociólogo Ruy Braga, professor da USP que pesquisa o tema, as expectativas estão elevadas porque o novo mandato do PT é tido como uma janela de oportunidade após "anos de desmanche de políticas públicas diretamente associadas às pautas reivindicativas dos movimentos".

Ele não descarta, porém, que as limitações da nova gestão Lula acabem por esgotar a paciência de alguns grupos, levando até a mobilizações de caráter conflituoso, como greves. "Tudo dependerá de até onde o governo estará disposto a ir a fim de cumprir suas promessas de campanha."