Lula toma segunda dose de vacina e sugere a Bolsonaro ouvir a ciência, os governadores e os prefeitos

O GLOBO
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO. O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva recebeu a segunda dose de vacina contra Covid-19 na manhã deste sábado em São Bernardo do Campo (SP), e sugeriu ao governo federal a "ouvir a ciência" e "conversar com os governadores e prefeitos" para saber como agir no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

O petista passou de carro em dos postos de drive-thru da cidade da região do ABC, onde mora, para se imunizar com uma dose da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, ligada ao governo paulista.

Lula recebeu a primeira dose no dia 13 de março, quando São Bernardo do Campo, cidade onde vive, começou a vacinar pessoas com 75 e 76 anos de idade — o ex-presidente tem 75. As duas aplicações foram transmitidas em vídeo, ao vivo, por meio das redes sociais do petista.

— Se eu pudesse dar um conselho a alguém, queria dizer aos membros do governo. Vocês só têm que fazer uma coisa neste momento: primeiro, ouvir a ciência, ouvir aqueles que sabem como tratar isso, e cumprir as determinações, conversar com os governadores e prefeitos.

O presidente mencionou a importância de se amplificar o acesso à vacina, ao auxílio emergencial ("para garantir que as pessoas possam ficar em casa") e promover políticas de geração de emprego.

— Essa luta é de todos. Não é do governo, não e só da oposição, não é só da classe médica. É de todos — disse.