Lula trabalha para ter o apoio de Janones e Bivar já no 1º turno, dizem fontes

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - Já em meio a convenções partidárias, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), líder nas pesquisas eleitorais, ainda pode colher mais apoios já no primeiro turno, com negociações em andamento com o pré-candidato Luciano Bivar (União Brasil) e o candidato André Janones (Avante).

De acordo com fontes ouvidas pela Reuters, a desistência dos dois, que podem apoiar Lula em primeiro turno, estão bem encaminhadas.

Presidente do União Brasil, Bivar já estava disposto a desistir de sua candidatura em troca de uma candidatura a deputado em seu Estado, Pernambuco. A decisão ainda não foi tomada, porque, hoje, Bivar não teria votos para garantir sua eleição, explicaram duas fontes.

Uma reunião nesse início de noite em Recife entre Bivar e o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), pai do deputado Fernando Coelho Filho (União-PE), iria tentar encontrar o espaço para tentar garantir a eleição de Bivar, já que o União Brasil normalmente só elege dois deputados no Estado --vagas que, hoje, devem ser de Coelho Filho e Mendonça Filho.

De acordo com uma das fontes, Bivar, no momento, estaria mais interessado em se eleger deputado e apoiar Lula já no primeiro turno, mas a decisão depende das negociações locais.

O apoio, no entanto, seria pessoal, enquanto os diretórios regionais estariam liberados para fechar os acordos locais.

“A tendência é essa. Parte do partido deve ir junto. O que acontece é que aqueles que se preocupam com a democracia precisam se unir, não interessa se é centro, centro-direita, esquerda. O país vem antes de tudo”, disse uma das fontes, ligado ao presidente do União Brasil.

Apesar de o partido ter recursos e tempo de tevê, a candidatura não é competitiva: Bivar raramente passava do traço nas pesquisas eleitorais.

JANONES

Já o candidato do Avante, deputado André Janones, admitiu que deve conversar com Lula e desistir de sua candidatura em apoio ao ex-presidente. Com 2% das intenções de voto, Janones admitiu ao jornal Folha de S. Paulo que sua candidatura não tem viabilidade eleitoral e que deve conversar com Lula em breve para acertar pontos de seu programa de governo que gostaria de ver incluídos no programa do petista, como a manutenção do auxílio Brasil de 600 reais.

“Não quero cargos, nem mesmo ministérios. Quero que minhas propostas sejam encampadas por alguém que tenha mais chances no pleito”, escreveu Janones em sua conta no Twitter.

Ao contrário de Bivar, Janones deve trazer o apoio do partido a Lula, e não apenas o seu pessoal, e ser candidato à reeleição como deputado federal.

De acordo com uma fonte próxima a Lula, a conversa deve acontecer na semana que vem, mas o acordo é dado como certo. Mais cedo, nesta sexta, ambos trocaram mensagens via Twitter que mostraram afinidade.

“Bolsonaro me bloqueou, Ciro não aceitou encontrar comigo, Tebet ignorou por completo minha existência, enquanto aquele que lidera as pesquisas pediu publicamente para conversar comigo. Humildade e democracia andam lado a lado. Convite aceito”, escreveu Janones no Twitter.

Já Lula respondeu: “Combinado. Política se faz com diálogo e juntando pessoas pelo bem comum. Vou te ligar.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos