Lula vê 2021 como 1º passo à eleição e quer firmar oposição

JOELMIR TAVARES E CAROLINA LINHARES
·4 minuto de leitura
***ARQUIVO*** SÃO BERNARDO DO CAMPO, SP, 10.03.2021 - O ex-presidente Lula durante coletiva no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, dois dias depois de o ministro Edson Facchin anular suas condenações no âmbito da Lava Jato. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO BERNARDO DO CAMPO, SP, 10.03.2021 - O ex-presidente Lula durante coletiva no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, dois dias depois de o ministro Edson Facchin anular suas condenações no âmbito da Lava Jato. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os principais líderes do PT afinaram o discurso com o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e passaram a difundir a narrativa de que a prioridade neste momento não é a provável candidatura dele ao Planalto em 2022, mas a consolidação do partido como principal opositor ao governo Jair Bolsonaro.

Lula, que teve os direitos políticos restabelecidos por decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), deu o tom para os correligionários na quarta-feira (10), ao falar pela primeira vez desde a anulação das condenações sofridas por ele na Operação Lava Jato de Curitiba.

Embora petistas afirmem que o momento é de cautela, por ser necessário esperar conclusões na esfera jurídica, a candidatura do ex-presidente é defendida sem ressalvas no partido. Mais do que isso, há o sentimento de que ele será imbatível nas urnas e governará o país pela terceira vez.

Outra certeza que começa a tomar forma é a de que a chapa deve ir além do PT e contemplar outra sigla, em uma consequência natural do discurso pró-união que Lula apresentou. De qualquer forma, a definição de alianças é vista como estratégica e deve ficar só para o ano que vem.

Pego de surpresa, o PT --que até então trabalhava com a pré-candidatura de Fernando Haddad-- aguardou a manifestação do ex-presidente para entender as bases da campanha que deve vir aí.

As expressões estampadas no painel atrás do petista, ao fazer seu pronunciamento no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), foram o cerne da mensagem e a senha para os colegas: "vacina para todos", "auxílio emergencial já" e "saúde, emprego e justiça para o Brasil".

Dirigentes, parlamentares e assessores ouvidos pela reportagem endossaram, de diferentes modos, a visão de que a campanha em 2022 depende do que será feito em 2021 sobre os temas urgentes, algo que Lula cobrou não só do PT, mas de toda a esquerda, como pressuposto para arranjos eleitorais.

Concretamente, ele quer se somar aos quatro governadores da sigla (nos estados da Bahia, Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte) e à bancada federal petista na implementação de medidas que façam frente ao que chamou de "desgoverno" de Bolsonaro.

Enquanto mantém conversas com políticos e busca formar um consenso de esquerda ou até mesmo de centro em torno de si, Lula quer evitar, segundo aliados, a deflagração de uma campanha eleitoral aberta diante da fase mais avassaladora da pandemia de Covid-19 no país.

"Falar de qualquer questão eleitoral hoje espalha, e não unifica. Não dá para colocar isso na frente", diz a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. "Qualquer coisa relacionada a 2022 vai passar antes por 2021. Além de tudo, temos responsabilidade com o país", segue a deputada federal.

"O momento é de aglutinar forças para enfrentar Bolsonaro e tentar encontrar soluções para esta grave crise em que ele enfiou o Brasil. Temos que subir o tom nesse sentido, falar do SUS, da renda emergencial, do desemprego."

De acordo com o secretário de comunicação do PT, Jilmar Tatto, a provável entrada do ex-presidente no pleito é desde já consensual na sigla. "A candidatura do Lula dá um freio de arrumação, um rearranjo na política brasileira, já que ele tem grande capacidade de atrair e unificar a esquerda", afirma.

Ainda neste ano, o PT pretende criar um grupo de trabalho para fazer um levantamento dos palanques da legenda nos estados. A estratégia é adiar até o segundo semestre, pelo menos da porta para fora, as discussões a respeito de campanha.

A realização de caravanas em diferentes estados, como as que Lula promoveu entre 2017 e 2018 e pensava em reeditar em 2020, antes da eclosão da pandemia, já aparece entre as ideias defendidas por integrantes responsáveis pela mobilização da militância.

Há, porém, o obstáculo da pandemia. Lula tomou a primeira dose da vacina neste sábado (13), mas as prováveis aglomerações em seus deslocamentos causam preocupação. No esforço de contraposição a Bolsonaro --criticado pelo desprezo às medidas de proteção e pela postura anticiência--, qualquer deslize pode facilitar ataques, observam auxiliares.

"A agenda do Lula não vai ser pensada para 2022, mas para a reconstrução do país. É isso que o PT vai ajudar a organizar", pontua Tatto.

O retorno de Lula ao páreo das urnas empolgou setores da legenda a ponto de membros ventilarem a hipótese de que uma vitória dele estaria garantida e arriscarem até a previsão otimista de um triunfo no primeiro turno.

"Às vezes, a gente fala uma coisa e não repercute. O Lula fala e a repercussão é outra", diz o presidente do PT em São Paulo, Luiz Marinho. "Ele é fundamental para enfrentar a tragédia da destruição de políticas públicas sob o Bolsonaro, um lunático que vive insinuando golpe pela força."

Em fevereiro, o papel de pré-candidato foi assumido por Haddad. O ex-prefeito iniciou uma série de encontros para posicionar o PT no debate de 2022, mas suspendeu os deslocamentos por causa das restrições sanitárias.

Ele, porém, manterá o roteiro conforme a pandemia permitir, com idas ao Rio de Janeiro e ao Nordeste, depois de ter visitado Minas Gerais.