Lula vai ao TSE contra Bolsonaro por propaganda que associa PT a vandalismo

Campanha do ex-presidente Lula acionou o Tribunal Superior Eleitoral contra Bolsonaro pela propaganda que associa o PT a vandalismo. (REUTERS/Carla Carniel)
Campanha do ex-presidente Lula acionou o Tribunal Superior Eleitoral contra Bolsonaro pela propaganda que associa o PT a vandalismo. (REUTERS/Carla Carniel)
  • Campanha de Lula pede que Bolsonaro seja proibido de veicular propaganda do último sábado;

  • No vídeo, o PT é acusado de atos de vandalismo e fala do ex-presidente é tirada de contexto;

  • Conteúdo também insere imagens do 7 de Setembro, que não podem mais ser usadas.

A campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu, nesta segunda-feira (12), que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) proíba o presidente Jair Bolsonaro (PL) de veicular a propaganda política que acusa do PT de vandalismo.

Divulgada no último sábado (10), o conteúdo de 2 minutos e 38 segundos é aberto com a frase “Na época do PT, as manifestações eram assim”.

Em seguida, aparecem imagens de protestos com quebra-quebra e bens incendiados e uma frase de Lula, tirada do contexto, em que ele diz que “a pauta da família, a pauta das famílias é uma coisa muito atrasada”.

Os advogados Eugênio Aragão e Cristiano Zanin Martins pontuaram, na ação, que o vídeo sugere “de maneira artificial e maliciosa, que o candidato atribui menor importância à família em seu posicionamento político, sendo que, na fala original, outro é o assunto e o significado contido nas palavras de Lula”.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Atos do 7 de Setembro

A coligação ‘Brasil da Esperança’ também critica o uso, na campanha de Bolsonaro, das imagens capturadas durante os atos do 7 de Setembro, Bicentenário da Independência.

No sábado, o ministro Benedito Gonçalves, do TSE, proibiu sua utilização, dizendo haver “indícios robustos da prática de condutas com potencial abusivo”.

“A veiculação ocorre exatamente no momento em que o país está submetido a um grave cenário de violência política estimulado não pelo Partido dos Trabalhadores, mas sim pelos aliados de Jair Bolsonaro. Impossível ignorar que já houve dois casos – públicos e notórios – de homicídio de simpatizantes do PT exatamente nesse cenário. Vale dizer, a propaganda em tela distorce totalmente a realidade dos fatos também sob essa perspectiva”, afirmam os advogados.