#Verificamos: É falso que laudo concluiu que bala que matou Ágatha era de fuzil de traficante

Reprodução

por Chico Marés

Circula nas redes sociais que um laudo publicado no dia 11 de outubro teria concluído que a bala que matou Ágatha Félix, de oito anos, não partiu da arma de um policial. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

Reprodução

“O LAUDO BALÍSTICO do caso ÁGATHA no Complexo do Alemão saiu ontem 11Out19. Vocês sabiam? Não né, sabe porque? Porque a perícia concluiu que o projétil no corpo da inocente Ágatha NÃO CONDIZ COM O PROJÉTIL USADO PELA PM no Rio de Janeiro”
Texto publicado no Facebook que, até as 17h do dia 14 de outubro, tinha sido compartilhado por 1,8 mil pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A Polícia Civil do Rio de Janeiro informou que não é possível determinar, pelo laudo do caso, se a bala que matou a menina Ágatha Félix partiu de um fuzil usado por policiais ou criminosos.

Publicado no dia 25 de setembro pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), o laudo conclui que a menina morreu com um tiro de fuzil. Entretanto, a análise não permite determinar “o calibre nominal, número e direcionamento das raias, bem como microvestígios de valor criminalístico, o que inviabiliza exame microcomparativo (confronto balístico)”. Segundo a polícia, o caso ainda está sob investigação.

Na noite de 20 de setembro, Ágatha Félix, de oito anos, foi morta quando voltava para casa no Complexo do Alemão. Testemunhas afirmam que o tiro partiu de policiais, que tentavam acertar uma moto que passava pelo local, e que atingiram a Kombi na qual a menina estava com a mãe.

A polícia, por outro lado, afirma que houve confronto e troca de tiros com criminosos. Testemunhas negam.

Esse conteúdo também foi verificado pelos sites Aos Fatos e Boatos.org

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.