#Verificamos: É falso que ONG do cacique Raoni enviou barras de ouro para a França

Reprodução

Circula nas redes sociais um vídeo acusando o cacique Raoni Metuktire de contrabandear ouro para a França. O vídeo mostra um grupo de homens brancos abrindo uma caixa com barras do metal precioso, que teria sido enviado pelo indígena. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

Reprodução


“ONG é flagrada enviando ilegalmente barras de ouro para a França! A Casa Caiu para Cacique Raoni”
Texto em vídeo publicado no YouTube que, até as 15h15 do dia 4 de outubro, tinha sido visto por mais de 39 mil pessoas

FALSO

O vídeo analisado pela Lupa não tem qualquer relação com o cacique Raoni ou com o Brasil. As cenas foram filmadas em Gana, na costa oeste da África, em junho deste ano e mostram dois homens italianos inspecionando uma carga de ouro.

Desde agosto, esse vídeo circula com falsas legendas: um site de Mali publicou que o ouro estava sendo roubado do país por soldados franceses. Outro, da República Democrática do Congo, dizia que o metal pertencia ao presidente do país, Félix Tshisekedi.

Os sites de checagem de fatos franceses Les Observateurs, do canal internacional de notícias France24, e Fake Investigation, conseguiram identificar um dos personagens no vídeo, o advogado italiano René Verrecchia.

Por telefone, ele confirmou ao Les Observateurs que o vídeo foi gravado em Acra, capital de Gana, e que ele e um amigo, também italiano, estavam inspecionando uma carga de ouro para potenciais compradores. Ele diz, ainda, que não recomendou a compra, por suspeitar dos documentos que detalhavam a origem do material.

O ouro é o principal produto de exportação de Gana. Em 2017, foram US$ 8,5 bilhões vendidos para outros países, o que representa 48,8% do total de exportações do país africano, segundo o Observatório de Complexidade Econômica.

Essa informação também foi analisada pelos sites Boatos.org e Estadão Verifica.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook