#Verificamos: É falso que projeto de lei no Congresso permite casamento entre pais e filhos

Reprodução

por Nathália Afonso

Circula nas redes sociais um post sobre um projeto de lei que tramita no Congresso Nacional e, se aprovado, permitiria que pais se casem com seus filhos. A proposta criticada é o Projeto de Lei (PL) 3.369/2015, de autoria do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) e relatada pelo deputado Túlio Gadelha (PDT-PE) na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

Reprodução

“Está em votação no Congresso a lei que permite pai casar com sua filha [PL 3.369/2015]”
Legenda de imagem publicada no Facebook que, até as 18h do dia 20 de agosto de 2019, havia sido compartilhada por mais de 800 pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O artigo 1.521 do Código Civil estabelece que é proibido o casamento dos “ascendentes com os descendentes, seja o parentesco natural ou civil”, ou seja, entre pais e filhos naturais ou adotados. O PL 3.369/2015 não altera esse artigo. Assim, a proibição continua válida.

texto da proposta cria o Estatuto das Famílias do Século XXI. A iniciativa tramita na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) e teve parecer favorável do relator, o deputado federal Túlio Gadêlha (PDT-PE), em 8 de julho. A proposta seria votada na CDHM nesta quarta-feira (21), mas foi retirada de pauta por decisão do presidente do colegiado, Helder Salomão (PT-ES), a pedido do autor.

De autoria do deputado Orlando Silva (PCdoB), o projeto reconhece como entidades familiares “todas as formas de união entre duas ou mais pessoas que para este fim se constituam e que se baseiem no amor, na socioafetividade, independentemente de consanguinidade, gênero, orientação sexual, nacionalidade, credo ou raça”.

Na quarta-feira (20), Silva publicou artigo sobre essa questão no site Vermelho. Segundo o autor, ao falar “independentemente de consanguinidade”, referiu-se a filhos adotivos. “É estarrecedor que grupos se aproveitem da religiosidade do povo brasileiro para semear esse tipo de acusação infundada e nojenta”, diz o texto.

Essa informação também foi verificada pelo site Estadão Verifica.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook