#Verificamos: É falso que imagem antiga mostre Miriam Leitão com arma na guerrilha

Reprodução

por Maurício Moraes

Circula pelas redes sociais uma foto antiga com uma mulher empunhando uma arma ao lado do capitão do Exército Carlos Lamarca, que participou da luta armada contra a ditadura. Uma legenda diz se tratar da jornalista Miriam Leitão. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

Reprodução

“A inocente Miriam Leitão segurando uma inocente furadeira…”
Texto de imagem que, até as 16h de 22 de julho de 2019, tinha mais de 4,5 mil compartilhamentos no Facebook

FALSO

A mulher retratada na foto analisada pela Lupa não é a jornalista Miriam Leitão, mas uma bancária não-identificada do Bradesco. A imagem foi feita por um fotógrafo do Grupo Folha em 22 de janeiro de 1969, durante a ditadura militar. Naquele dia, houve um treinamento de defesa contra assaltos para os funcionários do banco no quartel de Quitaúna, em Osasco (SP). O curso era voltado especialmente para as pessoas que trabalhavam nos caixas e, entre os instrutores, estava o capitão Carlos Lamarca. Mais tarde naquele ano, ele abandonou o Exército para integrar a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), uma das organizações que lutaram contra a ditadura militar. Foi morto em 1971.

Em janeiro de 1969, quando a foto foi tirada, Miriam Leitão tinha apenas 15 anos e vivia em Caratinga, no interior de Minas Gerais. Ela jamais foi acusada de participar da luta armada contra a ditadura, e sim de participar do PCdoB, à época um partido clandestino, de aliciar estudantes, e de fazer panfletagem e pichações. Foi presa aos 19 anos, grávida, quando morava na cidade de Vitória (ES). Durante esse período, foi torturada, espancada e ameaçada de estupro. Miriam foi inocentada de todas as as acusações feitas contra ela na ditadura.

Publicações inverídicas sobre a jornalista, que é colunista de economia do Grupo Globo, voltaram a circular nos últimos dias, depois que o presidente da República, Jair Bolsonaro, a criticou em um café da manhã com a imprensa estrangeira, em 19 de julho. Bolsonaro disse que Miriam participou da luta armada e foi presa quando se dirigia para a guerrilha do Araguaia. Ambas as informações são falsas. No ano passado, a Lupa desmentiu a informação de que a jornalista foi presa por participar de um assalto a banco em São Paulo.

Essa informação também foi verificada pelos sites Aos Fatos e Estadão Verifica.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook