#Verificamos: É falso vídeo de ‘venezuelanos pró-Maduro’ agredindo soldados brasileiros

Reprodução

por Chico Marés

Circula nas redes sociais um vídeo no qual dois jovens sem camisa insultam e agridem um soldado. A legenda afirma que se trata de “venezuelanos pró-Maduro” desafiando soldados brasileiros. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

Reprodução

“Venezuelanos pró Maduro, estão entrando no BRASIL junto com refugiados, e desafiam soldados do exército brasileiro com o intuído do revide por parte deles. Ai nas manchetes da imprensa lixo vão colocar que BOLSONARO manda exercito agredir refugiados”
Legenda de vídeo publicado no Facebook que, até as 15h, tinha sido compartilhado por mais de 400 pessoas

FALSO

O vídeo analisado pela Lupa não é de migrantes venezuelanos e não foi gravado no Brasil. A cena foi registrada na base militar de La Lizama, próxima à cidade de Barrancabermeja, a cerca de 450 quilômetros de Bogotá. No vídeo, dois jovens jogam pedras e ofendem um soldado do exército colombiano.

O caso ocorreu no último 27 de julho, em frente à base militar. Um dos homens que aparece no vídeo é Rafael Caro, e o outro, seu irmão. Após a confusão registrada nas imagens, Rafael tentou pular um muro e invadir o terreno. Um militar disparou contra ele, e o jovem morreu no caminho para o hospital.

As circunstâncias da morte ainda estão sendo investigadas. O irmão do adolescente alega que, antes da gravação do vídeo, ele e Rafael foram até uma loja próxima à base. Na volta, teriam sido agredidos pelos militares. Irritados, voltaram para casa, pegaram um facão, pedaços de pau e, junto com outros jovens da região, revidaram. A mãe de Rafael diz, ainda, que outro jovem tinha sido agredido no dia anterior.

Os militares alegam que o soldado atirou contra o chão para alertar Rafael, mas a bala ricocheteou no chão e atingiu o jovem. O Exército colombiano diz, ainda, que os soldados estavam fazendo um trabalho de repressão ao tráfico de drogas na região.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook