Luta contra Aids, tuberculose e malária se recuperou após Covid-19, mas não o suficiente

Tratamento contra malária em Abidjan, Costa do Marfim

Por Jennifer Rigby

LONDRES (Reuters) - Os esforços para combater Aids, tuberculose e malária começaram a se recuperar no ano passado após serem duramente atingidos pela pandemia da Covid-19 em 2020, mas o mundo ainda não está no caminho certo para derrotar essas doenças mortais, mostrou um relatório.

Em seu relatório de 2022, divulgado nesta segunda-feira, o Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária disse que o número de pessoas alcançadas com os esforços de tratamento e prevenção se recuperou no ano passado depois de cair pela primeira vez em quase 20 anos em 2020.

No entanto, todo o terreno perdido não foi recuperado, disse Peter Sands, presidente do Fundo, uma aliança público/privada com sede em Genebra.

"A maioria dos países fez um trabalho impressionante ao se recuperar da terrível perturbação de 2020... mas não estamos onde queremos estar. Muitas pessoas ainda estão morrendo dessas doenças", disse ele à Reuters na semana passada.

Por exemplo, os números tratados para tuberculose caíram 19% em 2020, para 4,5 milhões. Em 2021, esse dado voltou a subir 12%, para 5,3 milhões, ainda um pouco abaixo dos 5,5 milhões em tratamento pré-pandemia. Embora os programas de malária e Aids tenham excedido os níveis de 2019, o impacto da pandemia significa que eles ainda estão fora do objetivo de acabar com as doenças até 2030.

Sands também alertou que o impacto da crise alimentar global, agravada pela invasão da Ucrânia pela Rússia, piorará a situação.

As doenças infecciosas geralmente são muito mais mortais para pessoas cujos corpos estão enfraquecidos pela desnutrição e também não respondem tão bem aos esforços de tratamento ou prevenção. Como tal, Sands disse que é "provável" que o Fundo tenha que trabalhar com parceiros para fornecer mais apoio nutricional do que nunca para continuar salvando vidas.

O relatório estima que o trabalho do Fundo com os países salvou cerca de 50 milhões de vidas desde sua criação em 2002. O projeto gastou 4,4 bilhões de dólares para mitigar o impacto da Covid-19 em suas principais áreas e combater a pandemia, a partir de março de 2020.

Para continuar seu trabalho, o Fundo Global agora pretende arrecadar 18 bilhões de dólares para o próximo ciclo de financiamento de três anos, de governos, sociedade civil e setor privado. Já arrecadou mais de um terço do total e há planos para uma conferência de doadores na próxima semana, organizada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

(Reportagem de Jennifer Rigby)