Luta contra o relógio no Sri Lanka para salvar uma centena de cetáceos encalhados na praia

·1 minuto de leitura
Voluntários do Sri Lanka tentam empurrar uma baleia-piloto encalhada na praia de Panadura, 25 km ao sul da capital Colombo, em 2 de novembro de 2020
Voluntários do Sri Lanka tentam empurrar uma baleia-piloto encalhada na praia de Panadura, 25 km ao sul da capital Colombo, em 2 de novembro de 2020

Salva-vidas e voluntários multiplicaram seus esforços nesta segunda-feira(02) para salvar uma centena de baleias-piloto, um tipo de cetáceo maior do que os golfinhos, em uma praia no oeste do Sri Lanka. 

Por razões desconhecidas, os animais encalharam em Panadura, 25 quilômetros ao sul da capital Colombo, disse o chefe de polícia Sanjaya Irasinghe à AFP. 

“Com a ajuda dos habitantes da região, tentamos devolvê-los” ao mar, explicou o chefe das forças de segurança, que especificou que também receberiam o apoio da marinha do Sri Lanka para salvá-los. 

“É muito raro que tantas (baleias-piloto) sejam encontradas em nossas costas”, disse à AFP Dharshani Lahandapura, chefe da Autoridade de Proteção Ambiental Marinha do Sri Lanka.

"Acreditamos que é devido ao mesmo encalhe maciço" de 470 baleias-piloto "na Tasmânia em setembro", acrescentou. 

Cerca de 110 animais conseguiram sobreviver graças aos esforços dos socorristas australianos. 

As baleias-piloto, que podem ter até seis metros de comprimento e pesar uma tonelada, são mamíferos muito sociáveis. 

O motivo do incidente permanece desconhecido, apesar dos diversos estudos científicos realizados nas últimas décadas sobre esse fenômeno.

aj/grk/je/stb/cls/eb/mb/jc