Luta contra COVID-19 pode durar anos, diz especialista no Congresso dos EUA

Ex-diretor dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA Tom Frieden diz que batalha contra coronavírus será longa

Diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças no governo Barack Obama, o especialista Tom Frieden disse aos congressistas americanos, nesta quarta-feira (6), que a luta contra o novo coronavírus pode ser "longa e difícil" e pediu uma expansão significativa dos testes para interromper a pandemia.

Frieden afirmou ainda que o governo deve se preparar melhor para superar uma doença que devastou os Estados Unidos e grande parte do mundo.

Leia também

“Até que tenhamos uma vacina eficaz, a menos que algo inesperado aconteça, nosso inimigo viral estará conosco por muitos meses, ou anos", disse Frieden a um painel da Câmara de Representantes (Deputados) na primeira audiência no Congresso sobre a resposta federal à pandemia.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

"Estamos apenas no começo", advertiu Frieden, que liderou a resposta dos Estados Unidos ao surto de Ebola em 2014 e lidera a iniciativa internacional de saúde "Resolve to Save Lives".

Frieden advertiu que o número de mortes chegará a 100.000 até o final de maio, principalmente se a resposta não for substancialmente fortalecida.

"O ponto principal é que nossa guerra contra a COVID-19 será longa e difícil", resumiu Frieden.

No momento em que muitos americanos estão ansiosos para voltar ao normal, e alguns estados estão reabrindo suas economias, o especialista recomendou cautela e pediu que mais fundos sejam investidos para ampliar o alcance dos testes de coronavírus, aumentar o rastreamento de contatos infectados e aumentar a capacidade de atendimento da saúde pública.

"Sem apoio sustentado, nossa saúde estará em risco evitável", afirmou.

O Congresso já está negociando a próxima fase do financiamento federal, depois de aprovar US$ 3 trilhões, o que caracteriza uma ajuda sem precedentes no país para combater o coronavírus e amenizar os efeitos devastadores da paralisia econômica.

O caminho a seguir ainda não está claro, porém, em meio às diferentes posições de democratas e republicanos.

O epidemiologista e conselheiro da Casa Branca nesta pandemia, Anthony Fauci, testemunhará perante o Senado na próxima semana. Foi impedido pelo presidente Donald Trump de comparecer à Câmara, liderada pelos democratas.

País mais atingido do mundo pelo coronavírus, os Estados Unidos registram até o momento 1,2 milhão de casos de contágio confirmados, com mais de 71.000 mortes.

De acordo com boletim de terça-feira (5) à noite divulgado pela Universidade Johns Hopkins, os Estados Unidos haviam registrado 2.333 novos óbitos por coronavírus nas últimas 24 horas, mais do que o dobro da véspera.

Apesar desses números, a Casa Branca passou os últimos dias concentrando seu discurso na defesa do fim do confinamento no país.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.