1 / 4

Máquinas de comida serão o futuro do fast food?

Foto: Pixabay/ Daria Yakovleva

Máquinas de comida serão o futuro do fast food?

E se, em vez de pedir um saco de salgadinho em uma máquina de alimentos, você pudesse optar por um suculento hambúrguer? Se você gostou da ideia, vai aprovar essa novidade: os próximos fast food devem ficar tão rápidos que, em breve, passarão a ser vendidos em máquinas.

Quem tem acesso fácil a uma máquina de alimentos sabe como é fácil comer porcaria. Basta selecionar o salgadinho (ou refrigerante, nas máquinas de bebidas), inserir o dinheiro e esperar que eles caiam.

Mas, e se os alimentos fossem mais diversos e fresquinhos? Uma máquina de pizza 24 horas foi encontrada na universidade de Cincinnati, estado de Ohio, em 2016. Inventado por uma companhia francesa chamada Paline, estes ”caixas eletrônicos” de pizza na verdade já existem há 15 anos com mais de 300 máquinas em toda Europa.

Como funciona o Xavier’s Pizza ATM? Em primeiro lugar, o pessoal enche a máquina com 70 pizzas de cada vez. Você, em seguida, escolhe o sabor, aperta um botão e voilà! Em três minutos o equipamento cozinha e entrega uma pizza quente de 12 pedaços.

O FUTURO

Embora tenhamos experimentado apenas esses exemplos de máquinas até agora, o futuro do fast food apenas com robôs está se aproximando. Em janeiro de 2017, o McDonald’s realizou um experimento de “máquina de Big Mac” em uma loja em Boston.

A equipe de marketing do McDonald’s afirma que o ATM foi um caso de apenas um dia para promover seus novos hambúrgueres Junior Mac e Grand Mac. No entanto, Timothy Carone, professor da Universidade de Notre Dame e autor do livro Future Automation: Changes to Lives e Businesses, diz à Boston Globe que a tecnologia vai além do marketing – a mudança para a automação na indústria de fast food é “inevitável”.

Cadeias como o McDonald’s já implementaram telas sensíveis ao toqu. Outros, como Eatsa em San Francisco, simplesmente usam iPads. Estas automatizações poderiam certamente diminuir os custos de mão-de-obra, mas o que isso significará para o futuro dos trabalhadores de fast-food? Eles podem estar competindo com robôs.