Márcio França (30%) lidera disputa ao Senado por SP; Marcos Pontes tem 13%, mostra Datafolha

***ARQUIVO***COTIA, SP, 31.08.2022 - O ex-governador Márcio França (PSB), candidato do partido ao Senado. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***COTIA, SP, 31.08.2022 - O ex-governador Márcio França (PSB), candidato do partido ao Senado. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-governador Márcio França (PSB) lidera a corrida para o Senado em São Paulo, com 30% das intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (1º). Em segundo lugar está o ex-ministro Marcos Pontes (PL), com 13%.

Os dois são, respectivamente, os candidatos ao Senado indicados pelo ex-presidente Lula (PT) e pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) no estado.

Em terceiro lugar está a deputada estadual e professora Janaina Paschoal (PRTB), com 7%.

A pesquisa mostra Aldo Rebelo (PDT) com 4%, Edson Aparecido (MDB), 3%, Antônio Carlos (PCO), 3%, Professor Tito Bellini (PCB),2%, Vivian Mendes (UP) 2%, Ricardo Mellão (Novo), 1%, e Dr. Azkoul (DC), 1%.

A candidatura coletiva do PSTU, Mancha Coletiva Socialista, marcou 1%.

Outros 17% declararam voto branco ou nulo, e 15% não sabem.

A pesquisa Datafolha, contratada pela Folha de S.Paulo e pela TV Globo, ouviu 1.808 pessoas em 74 cidades do estado de terça-feira (30) a quinta-feira (1°). A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos, considerando um índice de confiança de 95%. O levantamento foi registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número SP-04954/2022.

Como mostrou a Folha de S.Paulo, a direita conservadora está dividida entre Pontes e Janaina, que foi preterida por Bolsonaro por ter tido posição crítica a ele ao longo do mandato. Com isso, na visão das campanhas da direita, cresce o "risco esquerda" ligado à vitória de França.

Neste ano, apenas uma cadeira do Senado está em jogo.

França pretendia concorrer ao governo do estado, mas retirou sua candidatura e cedeu à pressão do PT para disputar o Senado e apoiar Fernando Haddad (PT) para o Palácio dos Bandeirantes.

Como o PSOL passou a ocupar a primeira suplência de França, o campo da esquerda ficou unificado, o que dá vantagem ao candidato do PSB.

Outro que tinha planos diferentes na eleição é Aparecido, ex-secretário da Saúde da capital e candidato ligado ao governador Rodrigo Garcia (PSDB). Ele visava o posto de vice-governador, mas o tucano acabou escolhendo um nome da União Brasil para sua chapa.