Márcio França diz que dono de avião que deu carona a Lula quer devolver Brasil aos brasileiros

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-governador Márcio França (PSB) diz à reportagem que o empresário José Seripieri Filho, que deu carona de avião ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em viagem para o Egito, é seu amigo e só não foi seu suplente na disputa para o Senado em 2022 porque não quis.

"Se quisesse, teria sido", afirma o pessebista.

França afirma que Seripieri é um homem idôneo, além de bem sucedido empresarialmente. Ele foi fundador da Qualicorp e é dono da operadora QSaúde. Ele não ocupa cargo na administração da Qualicorp desde 2019.

"Não deixo soldados feridos pelo caminho", afirma o ex-governador. O suplente de França foi Juliano Medeiros, presidente do PSOL.

O ex-governador de São Paulo diz que fizeram "uma brutalidade" contra Seripieri para atingir Lula.

Ele se refere à Operação Paralelo 23, que fez com que Seripieri ficasse preso por três dias em julho de 2020. Ela investigou pagamentos para a campanha de José Serra (PSDB) ao Senado em 2014.

Seripieri se tornou réu acusado de corrupção, lavagem e caixa dois na Justiça Eleitoral de São Paulo. O senador também responde ao processo.

No fim de 2020, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso homologou acordo de colaboração de Seripieri firmado com a Procuradoria-Geral da República. O compromisso previa o pagamento de R$ 200 milhões pelo empresário como ressarcimento aos cofres públicos.

Os termos do acordo, assim como detalhes dos depoimentos, permanecem sigilosos até hoje.

Segundo Márcio França, "o tiro saiu pela culatra"

"Lula está eleito e Júnior [apelido pelo qual é conhecido Seripieri], com câncer grave, reúne forças para devolver o Brasil aos brasileiros. A delação dele diz respeito a caixa 2 na campanha do brilhante senador e ex-governador Serra. Ao ser homologada pela Justiça, cada um responde por seus atos e paga a pena. Ele fez isso. Muitos deveriam seguir seu exemplo", afirma o pessebista.